Amido Resistente = Alimento Medicamento


Consumir amidos resistentes pode oferecer proteção contra o diabetes tipo 1. Os pesquisadores descobriram que quando estes amidos foram aproveitados por bactérias intestinais e o processo de fermentação ocorreu, acetato e butirato foram produzidos que, quando combinados, proporcionaram proteção completa contra o diabetes tipo 1.

Dieta 'do Alimento Medicinal' combate o início da Diabetes tipo 1


Texto orginal aqui. Tradução: Regiany Floriano


Pesquisadores do Instituto de Descoberta Biomédica da Universidade Monash lideraram um estudo internacional que descobriu - pela primeira vez - que uma dieta que produziu altas quantidades de acetato de ácidos graxos de cadeia curta e butirato proporcionou um efeito benéfico sobre o sistema imunológico e protegeu contra a diabetes tipo 1 ou diabetes juvenil.


Diabetes tipo 1 auto-imune ocorre quando células imunes chamadas de células T auto-reativas atacam e destroem as células que produzem insulina - o hormônio que regula os níveis de açúcar no sangue.


A dieta especializada desenvolvida pelos pesquisadores da CSIRO e da Universidade de Monash usa amidos - encontrados em muitos alimentos, incluindo frutas e legumes - que resistem à digestão e passam pelo cólon ou intestino grosso onde são consumidos pela microbiota. Este processo de fermentação produz acetato e butirato que, quando combinados, proporcionam proteção completa contra a diabetes tipo 1.


"A dieta ocidental afeta a nossa microbiota intestinal e a produção desses ácidos graxos de cadeia curta", disse a pesquisadora Eliana Mariño.


"Nossa pesquisa descobriu que uma alimentação que estimule as bactérias intestinais que produzem altos níveis de acetato ou butirato, melhora a integridade do revestimento intestinal, o que reduz os fatores pró-inflamatórios e promovem a tolerância imunológica", disse Mariño.


"Descobrimos que isso teve um enorme impacto no desenvolvimento do diabetes tipo 1", disse ela.


As descobertas, que atraíram grande interesse no Congresso Internacional de Imunologia em Melbourne no ano passado, foram publicadas hoje na prestigiada revista Nature Immunology.


O professor Charles Mackay, que iniciou a pesquisa, disse que o estudo destacou como as abordagens não-farmacêuticas, incluindo dietas especiais e bactérias intestinais, poderiam tratar ou prevenir doenças auto-imunes como diabetes tipo 1.


"Os resultados ilustram o nascimento de uma nova era no tratamento de doenças humanas com alimentos medicinais", disse o professor Mackay.


"Os materiais que usamos são algo que você pode digerir que é composto de produtos naturais - amidos resistentes são uma parte normal da nossa dieta.


"As dietas que usamos são altamente eficientes na liberação de metabólitos benéficos. Eu descreveria como um superalimento extremo", disse ele.
Professor Mackay disse que a dieta não era apenas comer vegetais ou alimentos ricos em fibras, mas envolveu alimentos especiais e um processo especial, e teria de ser gerida por nutricionistas, nutrólogos e clínicos.


Os pesquisadores estão esperando obter financiamento para aplicar os resultados com diabetes tipo 1 em pesquisa clínica. Professor Mackay, Dr. Mariño e colaboradores na Austrália estão expandindo suas pesquisas para investigar o efeito da dieta sobre a obesidade e outras doenças inflamatórias, incluindo doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, asma, alergias alimentares e Doença Inflamatória Intestinal.


Esta pesquisa foi apoiada pela JDRF, o Diabetes Austrália Research Trust e da Australian National Health and Medical Research Council.


Leia o artigo completo intitulado, Metabólitos Microbianos do Intestino limitam a freqüência de células T auto-imunes e protegem contra o diabetes tipo 1 ', publicado hoje na Nature Immunology.





Sugestões de livros sobre a Dieta Paleo - Low Carb? Veja aqui

Saiba das novidades do Menos Rótulos por e-mail:
 
 Siga MENOS RÓTULOS no Facebook e Instagram
 As informações contidas neste blog são relatos pessoais, ou artigos traduzidos com as devidas referências, não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer condição médica e não devem ser usadas como um substituto para o cuidado e orientação de um médico / nutricionista.