Adoçantes de baixa caloria promovem acúmulo de gordura

Os adoçantes artificiais de baixo teor calórico parecem causar estragos no metabolismo do corpo, e o grande consumo desses substitutos de açúcares pode promover o acúmulo de gordura, especialmente em pessoas que já estão obesas, sugere uma pesquisa preliminar. Os resultados do estudo serão apresentados na ENDO 2017, na 99a Reunião Anual da Sociedade de Endocrinologia em Orlando, Flórida.


"Muitas pessoas que se preocupam com a saúde gostam de consumir adoçantes de baixa caloria como uma alternativa ao açúcar. No entanto, há uma crescente evidência científica de que estes edulcorantes promovam uma disfunção metabólica", disse Sabyasachi Sen, MD, Professor Associado de Medicina e Endocrinologia da Universidade George Washington, em Washington DC, e o principal investigador do estudo.


Sen e seus colegas testaram a sucralose, um edulcorante popular de baixa caloria, em células-tronco retiradas do tecido adiposo humano - estas células quando maduras, podem se transformar em gordura, músculo, cartilagem ou células ósseas. Eles colocaram estas células em placas de Petri durante 12 dias em meios que promovem a produção de gordura. Em uma dose de 0,2 milimolar de sucralose semelhante à concentração encontrada no sangue de pessoas com alto consumo de edulcorantes de baixa caloria - igual a quatro latas de refrigerante diet por dia - os pesquisadores observaram um aumento da expressão de genes que são marcadores de produção e inflamação da gordura. Houve também aumento do acúmulo de gotículas de gordura nas células, particularmente em uma dose maior (1 milimolar), relatou Sen.


Com esta evidência, os investigadores conduziram então uma experiência separada. Eles analisaram amostras de biópsias de gordura abdominal obtidas de oito indivíduos que disseram consumir edulcorantes de baixa caloria (principalmente sucralose e um traço de aspartame e / ou acesulfame de potássio). Quatro dos indivíduos tinham peso saudável, e quatro eram obesos. De acordo com Sen, eles viram evidências do aumento do transporte de glicose (açúcar) nas células e da super expressão de conhecidos genes produtores de gordura, em comparação com amostras de biópsia de gordura de indivíduos que não consumiam adoçantes de baixa caloria.


Além disso, ele observou que os indivíduos que consumiram adoçantes de baixa caloria, que são várias vezes mais doces do que o próprio açúcar, demonstram uma super expressão de receptores do sabor doce em seu tecido adiposo. Esta super expressão foi até 2,5 vezes mais elevada do que nos indivíduos sem história de consumo destes edulcorantes. A super expressão de receptores de sabor doce na gordura abdominal, disse ele, pode desempenhar um papel em permitir que a glicose entre nas células, a partir das quais o corpo a absorve na corrente sanguínea.


Todos esses achados são sinais de desregulação metabólica em que os mecanismos celulares estão mudando para produzir mais gordura, explicou. O que preocupa, disse Sen, é que esses efeitos foram mais aparentes nos indivíduos obesos que consumiram adoçantes de baixas calorias, em vez de indivíduos de peso normal. Ele acrescentou que o aumento observado na captação de glicose nas células também é preocupante para os consumidores que têm diabetes e pré diabetes, "que já têm mais açúcar no sangue", em comparação com os seus homólogos que não têm diabetes.


Mais estudos são necessários em um maior número de pessoas com diabetes e obesidade para confirmar estes resultados, sublinhou.


"No entanto, a partir do nosso estudo", afirmou Sen, "acreditamos que os edulcorantes de baixa caloria promovem a formação de gordura adicional, permitindo que mais glicose entre nas células e promova a inflamação, o que pode ser mais prejudicial em indivíduos obesos.


Fornecido por: The Endocrine Society
Texto original aqui, tradução: Regiany Floriano




Sugestões de livros sobre a Dieta Paleo - Low Carb? Veja aqui

Saiba das novidades do Menos Rótulos por e-mail:
 Siga MENOS RÓTULOS no Facebook e Instagram
 As informações contidas neste blog são relatos pessoais, ou artigos traduzidos com as devidas referências, não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer condição médica e não devem ser usadas como um substituto para o cuidado e orientação de um médico / nutricionista.