O trigo seguro para celíacos pode ser a safra do futuro


Cientistas estão desenvolvendo um tipo de trigo celíaco-amigável em resposta à crescente popularidade dos alimentos sem glúten. Isto através da modificação genética das proteínas do glúten.

A mudança pode ser útil para algumas pessoas. Mas é provavelmente ainda melhor ficar longe dele, já que o glúten não é o único problema.

Mesmo se você remover as propriedades alérgicas do trigo, isto não vai anular o fato de que ele é rico em carboidratos que engordam, e ao mesmo tempo escasso em nutrientes. A regra de ouro ainda é evitar alimentos processados - incluindo os carboidratos refinados como açúcar e farinha - e em vez disso escolher comida de verdade.

Há também o risco potencial de que a modificação genética de uma colheita extremamente importante introduza novos problemas, cujos resultados só poderão ser conhecidos muito mais tarde.

Fonte: Diet Doctor


O trigo amigo do celíaco pode ser a safra do futuro
Celiac-friendly wheat may be a crop of the future

 Texto original aqui, tradução: Regiany Floriano

Em poucas palavras:

Projetos de pesquisa em Manhattan, Kansas e Madrid, na Espanha, estão trabalhando para determinar quais proteínas reativas do trigo afetam as pessoas com doença celíaca, de acordo com a Food Business News. O trabalho está avançando lentamente - das centenas de proteínas que compõem o glúten do trigo, apenas algumas têm as propriedades reativas que levam à doença celíaca.

Pesquisadores em Madri descobriram que certas variedades de trigo causam respostas diferentes em pacientes celíacos, sugerindo que certas técnicas de criação poderiam eventualmente levar à criação de uma variedade de trigo celíaco-seguro.

Cerca de 1% da população dos EUA tem a doença celíaca e muitos americanos com intolerâncias ao glúten ou alergias ao trigo também se beneficiam de dietas sem glúten.

Uma avaliação mais profunda:

É difícil para os consumidores com doença celíaca manterem uma dieta sem glúten. Aqueles afetados pela doença precisam evitar o trigo, a cevada, o centeio e o triticale (um híbrido do trigo e centeio), ingredientes que estão presentes em muitos produtos alimentares, incluindo até categorias como sopas enlatadas e saladas.

Esta reação ao glúten prejudica as vilosidades de quem o consome (vilosidades são pequenas projeções da parede do intestino parecidas com pêlos). Se as vilosidades são danificadas, as pessoas não podem absorver todos os nutrientes que necessitam. Se o problema for ignorado, sérias conseqüências podem resultar.

Os últimos anos viram uma explosão de produtos sem glúten e pessoas seguindo dietas sem glúten - muitas delas fazendo isso desnecessariamente. Muitos destes não-celíacos, os consumidores sem glúten, vêem o glúten como um risco para a saúde em geral, embora poucos saibam realmente o que é o glúten ou como ele afeta o seu organismo.

Evitar o glúten desnecessariamente pode impedir as pessoas de absorverem os nutrientes que necessitam, tais como vitaminas do complexo B, adicionadas ao pão. Ainda assim, esta tendência continua a crescer, e mais e mais fabricantes estão lutando para adicionar novas opções sem glúten aos seus portfólios ou reformular produtos existentes.

Se uma variedade de trigo liberada para os celíacos for introduzida, isso resolveria um monte de problemas para os americanos que têm a doença e outras intolerâncias referentes ao glúten. Isso também aliviaria a pressão sobre os fabricantes que tentam encontrar alternativas para o trigo em aplicações como pão, panqueca e outros que tendem a ficar diferentes sem farinha.



_____________________

Outros artigos interessantes:

O trigo moderno está deixando você gordo e doente?

Os efeitos do trigo mesmo em quem não tem Doença Celíaca

A Sensibilidade ao Trigo é Subjetiva?

O trigo e a FOME

Você tem medo da Síndrome da Deficiência de Grãos?




Sugestões de livros sobre a Dieta Paleo - Low Carb? Veja aqui

Saiba das novidades do Menos Rótulos por e-mail:
 
 Siga MENOS RÓTULOS no Facebook e Instagram
 As informações contidas neste blog são relatos pessoais, ou artigos traduzidos com as devidas referências, não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer condição médica e não devem ser usadas como um substituto para o cuidado e orientação de um médico / nutricionista.