A cura para a obesidade é uma só: COMER MENOS

Não há nenhuma maneira de superar uma dieta ruim - pelo menos não quando se trata de perda de peso. A única maneira de perder peso é mudando a alimentação.

Aqui está um artigo interessante do Senhor Ian McColl, Professor de Cirurgia e ministro da saúde do Reino Unido em 1997-2000.


As recomendações do antigo ministro, baseadas numa alimentação convencional, defendendo o aumento do consumo de gordura e estimulando a redução dos carboidratos e açúcares, já mostram um grande avanço. Apesar dele sugerir começar o dia com uma fatia de pão integral, nossos avós e bisavós também começavam o dia com pão e a grande maioria deles não sofria com problemas de peso (tudo é uma questão de escolha. Seguindo a low carb, evitamos as fontes de amido, principalmente pela manhã).

Segundo ele, o problema está nos excessos e nos produtos industrializados carregados de açúcar que vêm sendo consumidos em grande quantidade ao longo dos últimos anos.


É ótimo ver que mais e mais profissionais médicos estão começando a reconhecer que "comer menos, correr mais" não funciona, a menos que haja uma maneira de reduzir a fome e os desejos. Ao comer mais gordura você aumenta a saciedade e evita comer alguns dos alimentos ricos em carboidratos que estimulam a insulina (o hormônio de armazenamento de gordura).


É a forma inteligente para tratar a obesidade. (DIET DOCTOR)


Há uma cura para a obesidade e é uma só: comer menos. É isso ou a epidemia de obesidade vai matar mais do que a gripe espanhola


Texto publicado no The Telegraph e traduzido por Regiany Floriano.


Ontem (10/10) foi o Dia Mundial da Obesidade. Mas de quem é a culpa pela atual epidemia de gordura do mundo? Eu vou te dizer. Os culpados são os cientistas e políticos moralmente corruptos que se deixaram ser manipulados pelo fornecedores de alimentos para dizerem que a obesidade era devido à falta de exercícios.


Eles indevidamente defenderam uma dieta baixa em gordura, rica em carboidratos com elevado teor de açúcar, o que aumentou consideravelmente os lucros da indústria de alimentos.


De fato, a obesidade é causada pela ingestão de muitas calorias - estimulada por algo como uma dieta rica em carboidratos e cheia de açúcar. A gordura na verdade, tem um efeito muito útil no controle de peso, contribuindo para uma sensação de plenitude, que nos impede de comer demais.


Por outro lado, quando os carboidratos e açúcar entram no estômago, a comida movimenta-se rapidamente e não há a sensação de ter tido uma refeição completa. A fome retorna em breve e a pessoa começa a comer novamente. Aveia e ovos para o café da manhã é um sensato começo do dia, pois eles satisfazem a fome e desencorajam os lanches mais tarde.


A gordura tem sido erradamente demonizada. Mas uma dieta com baixo teor de gordura, alta em carboidratos não é muito apetitosa, portanto, a indústria de alimentos adiciona quantidades cada vez maiores de açúcar para deixá-la mais palatável.


Não é, obviamente, tarefa do Governo dizer às pessoas o que comer. Mas há a obrigação de expor os fatos, e os fatos são claros: há uma causa para obesidade e é só uma - comer muitas calorias. Certamente diferentes corpos lidam com os alimentos de diferentes formas - algumas pessoas parecem ser capazes de comer muito e permanecerem magras, enquanto outras parecem que comem pouco e estão acima do peso. Mas a verdade é que é impossível alguém ficar obeso, a menos que esteja ingerindo muitas calorias.


Fatores genéticos, psicológicos e metabólicos, todos foram culpados pela obesidade. Mas enquanto podem ajudar a explicar porque as pessoas comem demais, nenhum deles é a causa. Não há condições médicas que causam obesidade. A deficiência da tireoide leva ao aumento de peso, mas, mais uma vez, somente se muitas calorias forem consumidas.


Apenas uma fração de calorias ingeridas são gastas durante a prática de exercícios. Isso não é ciência de foguetes; qualquer um em um aparelho na academia pode ver na tela que um treino de 30 minutos só queima 250-300 calorias - o conteúdo calórico de uma barra de 100g de chocolate. A pessoa tem que correr por quilômetros para queimar meio quilo de gordura.


As pessoas obesas não têm que aumentar sua atividade nem um pouco a fim de perder peso; tudo o que elas precisam fazer é comer menos, pura e simplesmente. Esta é uma boa notícia, porque muitas pessoas obesas não podem fazer mais exercícios físicos e dizer a elas para fazer isso é desmoralizante.


Como as pessoas podem receber ajuda para evitar uma morte desnecessariamente precoce, desagradavelmente complicada e prolongada causada pela obesidade e suas complicações: amputações, cegueira, doenças cardíacas, câncer, cirrose do fígado, doença articular, derrames e demência (para citar apenas alguns exemplos)?


A resposta é: porções menores, e alimentos que satisfaçam (incluindo uma quantidade moderada de gordura e cinco porções de frutas e vegetais por dia). Iniciando uma refeição com uma fatia de pão integral e um copo de água vai ajudar a reduzir o quanto será comido.


Evite o excesso de carboidratos e alimentos com elevado teor de açúcar. Se você não puder pagar pelo alimento certo, coma menos dos alimentos errados. As crianças obesas devem aprender os elementos básicos de nutrição, a fazer compras e cozinhar.


Muitas pessoas vão precisar de ajuda de nutricionistas e psiquiatras. Mas se não forem tomadas medidas, esta epidemia letal de obesidade vai matar mais do que a epidemia da gripe de 1919. Precisamos de uma estratégia para lidar com a  obesidade. E deve ser dizer simplesmente isto: a obesidade está matando milhões, custando bilhões e a cura é GRÁTIS. COMA MENOS.


___________

Outros artigos interessantes:

Anos de Conselhos Nutricionais Desastrosos para a Saúde

O que realmente causou a epidemia de obesidade? Como ela pode ser revertida?




Sugestões de livros sobre a Dieta Paleo - Low Carb? Veja aqui

Saiba das novidades do Menos Rótulos por e-mail:
   
 Siga MENOS RÓTULOS no Facebook e Instagram
 As informações contidas neste blog são relatos pessoais, ou artigos traduzidos com as devidas referências, não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer condição médica e não devem ser usadas como um substituto para o cuidado e orientação de um médico / nutricionista.