Rainha revela-se Low-carber em meio à confusão das convenções de saúde


Artigo publicado aqui e traduzido por Regiany Floriano.


O mais recente epicentro do mundo nutricional foi no Reino Unido. A questão central tem sido a dieta low-carb contra a do baixo teor de gordura. Em 23 de maio, o Fórum Nacional de Obesidade emitiu um relatório explosivo que acusou a Saúde Pública da Inglaterra (PHE) de conspirar com a indústria alimentícia em defesa das perigosas dietas de baixa gordura.

Dr. Aseem Malhotra, um dos autores do relatório, declarou que as recomendações nutricionais para manter um baixo teor de gordura tem sido "talvez o maior erro na história da medicina moderna, resultando em consequências devastadoras para a saúde pública".

Em resposta, o PHE disse que o relatório do Fórum Nacional de Obesidade  é irresponsável e induz o público. O Professor John Newton, diretor de conhecimento (um título bastante "Orwelliano") do PHE comentou,

"Sugerir que as pessoas devam comer mais gordura, cortar os carboidratos e ignorar as calorias está em conflito com a ampla base de evidências e interpretações acordadas internacionalmente".

Apenas uma semana depois, uma organização de diabetes britânica emitiu uma mensagem semelhante. O Diabetes.co.uk conduziu um estudo com mais de 120.000 pessoas, a maioria dos quais tem diabetes tipo-2. Os participantes seguiram uma dieta low-carb, ao contrário das dietas de baixa gordura recomendadas pelo PHE e o Diabetes UK (outra organização convencional).
Mais de 80.000 participantes perderam peso e melhoraram os seus níveis de glicose no sangue. Em resposta, um porta-voz PHE afirmou:

"Nosso conselho, em acordo com o do Diabetes UK, é que as pessoas com diabetes devam consumir uma dieta compatível com o Guia Eatwell. A evidência considerada pelo relatório do Comité Consultivo Científico sobre Nutrição para os seus Carboidratos e Saúde não oferece suporte de que seguir uma dieta pobre em carboidratos possa prevenir o diabetes tipo 2".

O PHE, o Diabetes UK, e outras organizações decididamente "convencionais" entraram em pânico durante as últimas semanas. Segundo o The Times (veja artigo do The Telegraph traduzido aqui), este entusiasmo low-carb equivale a uma "uma revolta online".

Então, o que você acha que vai acontecer agora que a Rainha, a figura emblemática desta mesma instituição, revelou-se como uma low-carber inflexível?

Sim, é isto mesmo.

Conforme relatado no International Business Times de hoje, a Rainha, que está comemorando seu 90º aniversário este fim de semana, evita os carboidratos. Seu chef particular, Darren McGrady, "dá pistas de que Sua Majestade é uma rainha da cetose, evitando todos os carboidratos ricos em amido".
McGrady comentou:

"Se ela tiver peixe, será algo como salmão grelhado com alguns vegetais e uma bela salada. Em seguida, uma tigela de frutas seria seu pudim. Se for carne, na maioria das vezes é assim: pode ser um bife de veado, ou um pequeno pedaço de faisão. Ela cortaria todos os carboidratos. Ela não come nada de pão com a refeição. E não teria nada de batatas, arroz, massas. Seria apenas os vegetais.
O Chef da Rainha, Darren McGrady

Alguém imaginaria que a Rainha, a única pessoa viva hoje que realmente viveu na era Paleo, seguisse a dieta Paleo? Haha, brincadeirinha. Mas pelos seus 90 anos, ela certamente está com a sua saúde em ordem e parece que a low-carb high-fat (LCHF) é pelo menos em parte a responsável. Enquanto isso, a dieta da baixa gordura a cada dia perde mais credibilidade, assim como aqueles que a promovem como saudável.
Deixe-os comer gordura!


A classe médica está realmente encurralada. No mesmo dia em que soubemos que a Rainha é uma low-carber, a Saúde Pública da Inglaterra também anunciou que irá rever o seu parecer sobre o baixo teor de gordura.

Foi só em Março de 2016, que o PHE lançou seu guia atualizado Eatwell e agora, em junho, ele já está sob investigação. Não, ele não está sendo investigado pelo seu trabalho de design gráfico verdadeiramente terrível, que certamente merece uma segunda investigação. Ele está sendo investigado pelos seus conselhos nutricionais, os quais o PHE está reconhecendo que poderiam estar errados.


Até agora, os cientistas afirmaram que os níveis elevados de gordura saturada estão relacionados com um maior risco de doença cardíaca. Agora, o governo pediu ao Comité Consultivo Científico sobre Nutrição (SACN) para rever as recomendações oficiais e quaisquer relações com as taxas de mortalidade, doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e câncer. Alguns especialistas também afirmam que o açúcar, e não a gordura, posiciona-se como a maior ameaça para a saúde da nação. O relatório especificamente vai verificar novamente o Guia Eatwell de Saúde Pública Inglaterra, que foi lançado em março e recomendava colocar os alimentos ricos em gordura e ricos em açúcar fora do "círculo" da alimentação saudável, com um aviso de "coma menos frequentemente e em pequenas quantidades".

O grupo de trabalho SACN prevê começar a elaborar o seu relatório em setembro. Em um bem-humorado de lado, PHE diz "aconselhamento dietético oficial sobre gordura saturada" permanecerá no local até que o comité as suas conclusões. Aparentemente, o PHE pensa que ainda é credível e insiste em permanecer motivo de chacota do mundo da nutrição, pelo menos para os próximos três meses.



_____________________



Siga MENOS RÓTULOS no Facebook e Instagram

 As informações contidas neste blog são relatos pessoais, ou artigos traduzidos com as devidas referências, não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer condição médica e não devem ser usadas como um substituto para o cuidado e orientação de um médico / nutricionista.