A Ganância da Industria Farmacêutica Mata!


Foto: Medicamentos em demasia estão fazendo mais mal do que bem - e custam centenas de milhares de vidas em todo o mundo, têm alertado os médicos especialistas. Eles afirmam que as empresas de medicamentos desenvolvem medicamentos com os quais possam lucrar, e não aqueles que deveriam ser mais benéficos.


“Como a ganancia da Big Pharma (Grande Indústria Farmacêutica) está matando dezenas de milhares de pessoas ao redor do mundo: Os pacientes estão sendo sobre medicados e muitas vezes recebem drogas rentáveis com “pequenos benefícios comprovados”, os médicos alertam.

Artigo original publicado no DAILY MAIL em 23 de Fevereiro de 2016 e traduzido por Regiany Floriano.

O antigo médico da Rainha pediu um inquérito público urgente sobre as práticas “obscuras das empresas de medicamentos". Sir Richard Thompson, ex-presidente do Royal College of Physicians e médico pessoal da Rainha por 21 anos, alertou que muitos medicamentos são menos eficazes do que se pensa.

O médico é um de um grupo de seis eminentes médicos que alertaram hoje sobre a influência das empresas farmacêuticas sobre as drogas de prescrição.

Os especialistas, liderados pelo cardiologista Dr. Aseem Malhotra do NHS (SNS), afirmam que muitas vezes são dadas drogas aos pacientes que eles não precisam - inúteis e por vezes prejudiciais.
Eles afirmam que as empresas de medicamentos desenvolvem medicamentos com os quais podem lucrar, e não aqueles que seriam mais benéficos.

E eles acusam o NHS de não enfrentar os gigantes farmacêuticos.

Sir Richard disse: “Chegou a hora para um inquérito público e aberto sobre a forma como a evidência da eficácia das drogas é obtida, seja revelada”.
"Há um perigo real de que alguns atuais tratamentos com remédios são muito menos eficazes do que anteriormente se pensava". Ele disse que a campanha destaca a “base frequentemente fraca e por vezes obscura em que a eficácia e uso de drogas, particularmente nos idosos, são julgadas".

Escrevendo para MailOnline, Dr Malhotra disse que os conflitos comerciais de interesse estão contribuindo para uma "epidemia de médicos e pacientes mal informados no Reino Unido e fora dele". Além disso, acrescenta que o SNS está "exagerando no tratamento de seus pacientes”, e afirmou que ”os efeitos colaterais do excesso de medicamentos está levando a inúmeras mortes”.

E ele afirma que os dados dos ensaios completos sobre as estatinas - drogas redutoras de colesterol prescritas a milhões de pessoas - nunca foram publicados, e também aponta para dúvidas sobre o poder do Tamiflu, uma droga que tem custado ao SNS cerca de £ 500 milhões.

O grupo pediu ao Comitê de Contas Públicas do Parlamento para conduzir um inquérito independente sobre a segurança dos medicamentos.Eles alegam que as verbas do financiamento público são muitas vezes destinadas à investigação médica, porque há maior probabilidade de ser rentável, não porque será benéfica para os pacientes.

Dr Malhotra disse: “Não há dúvida de que a cultura de ‘quanto mais medicamentos, melhor’ está no centro dos cuidados de saúde, exacerbada por incentivos financeiros no âmbito do sistema para prescrever mais medicamentos e realizar mais procedimentos”.

"Mas há uma barreira mais sinistra progredindo para aumentar a conscientização - e, assim, resolver - tais questões com as quais devemos estar mais preocupados”.
 "E essa é a informação que está sendo fornecida para médicos e pacientes para orientar as decisões de tratamento".
Ele acusou as empresas de medicamentos de fazerem "o sistema de jogo" por gastar duas vezes mais em marketing do que em pesquisa.

Dr Malhotra diz que os medicamentos muitas vezes fazem mais mal do que bem, particularmente com os idosos em risco. Uma em cada três hospitalizações de pessoas com mais de 75 anos, é consequência de uma reação adversa à droga, afirma.

Além de Sir Richard, Dr Malhotra é apoiado pelo Professor John Ashton, presidente da Faculdade de Saúde Pública; psiquiatra Dr JS Bamrah, presidente da Associação Britânica de Médicos de origem indiana; cardiologista Professor Rita Redberg, editora da revista médica JAMA de Medicina Interna; e o Professor James McCormack, um cientista farmacêutico.

Dr Malhotra, que está lançando a campanha a título pessoal, é administrador do grupo de pesquisas de saúde do Fundo do Rei, membro da Academy of Medical Royal Colleges e conselheiro do Fórum Nacional de Obesidade.

Ele é particularmente crítico do recente aumento dramático da prescrição de estatinas.


NICE – o órgão fiscalizador as drogas do SNS Britânico (NHS) - reduziu o limiar para a prescrição de estatinas em 2014 para incentivar os clínicos gerais a prescreverem estas drogas para mais pessoas.
Mas depois veio a publico que seis dos 12 profissionais receberam financiamento de fabricantes de drogas - tanto sendo pagos diretamente para dar palestras ou "conselhos", ou através do financiamento para pesquisas.

Dr Malhotra afirma que os dados completos sobre o poder das estatinas e seus efeitos colaterais nunca foram publicados. Ele também aponta para dúvidas sobre a eficácia do Tamiflu - uma droga para tratar a gripe que custa ao SNS 473 milhões de libras.

Um relatório de 2014 feito por um comitê de cientistas de renome concluiu que o Tamiflu não foi mais eficaz do que o paracetamol.
Dr Malhotra também cita uma investigação da revista médica BMJ, no início deste mês que sugeriu que uma das principais drogas para diluir o sangue Rivaroxabano não é tão seguro quanto a avaliação de dados sugere, embora o órgão regulador aceite a droga.

Ele escreve: "Para o bem da nossa saúde futura e para a sustentabilidade do SNS é hora para uma ação coletiva real contra "o excesso de medicamentos", começando com o Comitê de Contas Públicas lançando um inquérito independente sobre a eficácia e segurança dos medicamentos".

O Professor Ashton acrescentou: "A saúde pública baseia-se em uma base abrangente, precisa e economicamente eficiente para garantir que tomemos decisões com base na melhor pesquisa disponível, para melhorar e proteger a saúde das pessoas, bem como priorizar o melhor cuidado com os pacientes".

Não há dúvida de que a cultura de “quanto mais remédio, melhor” está no centro dos cuidados de saúde modernos. Esta situação é agravada pelos incentivos financeiros no âmbito do sistema para prescrever mais medicamentos e realizar mais procedimentos - independentemente de se o tratamento beneficia pacientes, ao que parece.

Mas não há uma barreira que impeça esta progressão e que aumente a consciência - e, assim, resolva esta questão com a qual deveríamos estar mais preocupados. E essa é a informação oferecida aos médicos e pacientes para orientar as decisões de tratamento.

Algumas semanas atrás eu fui palestrante na Conferência Médica Anual da Associação Britânica de Médicos de Origem Indiana, em Birmingham.
Outros oradores incluindo o presidente da Faculdade Real de Clínica Geral, presidente da BMA e chefe-executivo da NHS Inglaterra, Simon Stevens.

Em meu discurso, alertei sobre várias coisas que me preocupam profundamente sobre o estado da medicina hoje. Em suma, são estas:

* financiamento enviesado da pesquisa – financiam o que é mais rentável, não necessariamente o que seja benéfico para os pacientes;
* reportagens tendenciosas em revistas médicas;
* conflitos comerciais de interesses e a incapacidade de médicos e pacientes para entender as estatísticas de saúde e de risco.


Todas as alternativas acima estão contribuindo para uma epidemia de médicos mal informados e pacientes mal informados no Reino Unido e no exterior.
Mas o mais preocupante de tudo, esta situação desesperadora está custando dezenas de milhares de vidas em todo o mundo.
E não só isso, está causando sofrimento desnecessário a milhões e custando bilhões de dólares para as nossas economias nacionais.

Há alguns meses atrás, o médico diretor do NHS Inglaterra, Sir Bruce Keogh, admitiu que um em cada sete tratamentos do NHS - incluindo as operações - são desnecessários e não deveriam ter sido realizados nos pacientes. 
E nos EUA, estima-se que um terço de todas as ações de saúde não gere nenhum benefício para os pacientes.
Esta declaração é reforçada por um argumento apresentado pela ex-editora do New England Journal of Medicine, Dra Marcia Angell.

Em uma palestra dada na Universidade de Montana, em 2009, ela revelou que dos 667 novos medicamentos aprovados pelo FDA entre 2000 e 2007, apenas 11 por cento foram considerados inovadores ou melhores que os medicamentos existentes. E três quartos eram essencialmente apenas cópias dos já existentes.


ENCHENDO O BOLSO DA GRANDE INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS

Dado o fato de que a principal responsabilidade das empresas farmacêuticas é proporcionar lucro para acionistas - ao invés de saúde do paciente - isto está longe de ser surpreendente.
Mas além do desperdício financeiro colossal que resulta de empresas promovendo uma droga duas vezes – ou seja, gastando o dobro com o marketing das drogas do que em pesquisa e desenvolvimento - é com o prejuízo considerável para os pacientes e ao público em geral que devemos nos preocupar mais .

O FDA (Food and Drug Administration) relata que os efeitos adversos dos medicamentos prescritos mais do que triplicou nos últimos dez anos nos Estados Unidos.
Isso resultou em mais de 123.000 mortes em 2014 e 800.000 no total os resultados dos pacientes graves - incluindo hospitalizações e risco de vida. Mas é provável que isso represente uma subestimação grosseira.

Uma pessoa que tem sido franca sobre os perigos da medicação moderna é Peter Gotzsche, professor de projeto de pesquisa e análise na Universidade de Copenhagen. Ele estima que os medicamentos prescritos são a terceira causa mais comum de morte depois das doenças cardíacas e câncer.

Em particular, ele está profundamente preocupado com o impacto das drogas psiquiátricas, incluindo antidepressivos e medicamentos para a demência.
Em um artigo publicado no BMJ, ele calculou que estes medicamentos são responsáveis por mais de meio milhão de mortes em pessoas com idade acima de 65 anos nos EUA e na União Europeia.
Isto é devido a suicídios, mas também porque os pacientes estão sendo sobre-medicados e ficam sonolentos.

Na verdade, os idosos são os que estão correndo mais riscos da chamada “polifarmacoterapia” - onde um paciente está tomando vários medicamentos.


OS PACIENTES Bambeiam COM os COMPRIMIDOS

O problema com a polifarmacoterapia é que quanto mais medicamentos você toma, maior a probabilidade de sofrer efeitos colaterais, que então são mal interpretados por um médico ou enfermeiro como um sintoma de outra doença, fazendo-os pensar que você necessite de tratamento com um medicamento adicional.

Já perdi a conta do número de pacientes idosos sobre-medicados que tenho tratado, com às vezes três ou quatro medicamentos para pressão arterial deixando-os tontos e correndo riscos de quedas.
É um ciclo vicioso e que custa vidas a cada ano.

Pesquisas anteriores já haviam ligado drogas psiquiátricas a milhares de mortes por suicídios e sonolência

Os idosos são particularmente mais vulneráveis a polifarmacoterapia, uma em cada três internações hospitalares de pessoas com mais 75 anos é resultado de uma reação adversa à droga.
Muitos destes doentes vão cair e sofrer uma fratura de quadril por causa dos efeitos colaterais dos medicamentos e um quarto destes irá morrer em consequência.

Mas o que é mais perturbador é o que o professor Gotzche afirmou que muito do comportamento da indústria farmacêutica que impulsiona esse excesso de prescrição, preenche os critérios de um "crime organizado" nos termos das leis dos EUA.

"Já perdi a conta do número de pacientes idosos sobre-medicados que tenho tratado, com às vezes três ou quatro medicamentos para pressão arterial deixando-os tontos e correndo riscos de quedas", disse o Dr. Malhotra ao Mail Online.


Entre 2007 e 2012, a maior parte das dez maiores empresas farmacêuticas pagaram multas consideráveis para vários delitos que incluem comercialização de medicamentos para usos off-label (não aprovados), a manipulação de resultados de pesquisa, e ocultação dos dados sobre danos.

Mas se tais multas conseguem atuar como um impedimento, isto é discutível, quando o lucro é o principal motivador.

Em 2012, a GSK desembolsou US $ 3 bilhões para pagar uma multa - a maior fraude na história da comunidade de saúde dos EUA - por comercializar ilegalmente vários medicamentos incluindo um anti-depressivo, um para diabetes e outro para epilepsia. Mas, no período abrangido pelo acordo, a empresa registrou lucros de mais de US $ 25 bilhões nas vendas destes medicamentos.

Revistas médicas e os meios de comunicação também podem ser manipulados para servir não apenas como veículos de marketing para a indústria, mas também podem ser cúmplices em silenciar aqueles que apelam para uma maior transparência, e um maior controle independente dos dados científicos.
Pegue um estudo publicado pelo Medical Journal of Australia (MJA) em junho passado.


NÓS NÃO sabemos a verdade sobre as estatinas

Foi o que afirmou um programa que foi ao ar em 2013 - que questionou os benefícios da prescrição de estatinas para aqueles com baixo risco de doença cardíaca - pode ter resultado em cerca de 2.900 pessoas que sofreram um ataque cardíaco ou morte por interromper a medicação.

Fui convidado para ir à ABC News Austrália para discutir isso, mas, infelizmente, apenas 30 minutos antes da minha entrevista, ela foi cancelada.
Se eu tivesse tido a oportunidade, eu teria dado meu ponto de vista - de que o estudo não apresentou qualquer prova robusta que aumentou a admissão hospitalar ou de mortes registradas para sustentar tais alegações.

Pelo contrário, o documentário Catalyst em análise é uma das mais brilhantes peças do jornalismo médico que eu vi nos últimos tempos. Uma opinião compartilhada pelo vice-presidente da faculdade de professor de saúde pública Simon Capewell, que descreveu como “informativa, transparente, e levantou preocupações legítimas“.
Como ele e eu destacamos em um editorial publicado há duas semanas na revista médica BMC Medicine, os estudos baseados na comunidade que revelam que quase 75 por cento dos novos usuários vão parar de tomar a sua estatina dentro de um ano da prescrição, com 62 por cento alegando efeitos colaterais como a razão.

De fato, a evidência emergente sugere no melhor dos casos, que os benefícios das estatinas têm sido muito exagerados e efeitos colaterais subestimados.
Nas últimas semanas, dois grupos independentes de pesquisa no Japão e na França, independentemente um do outro, têm questionado a aplicabilidade de muitos dos estudos anteriores patrocinados pela indústria, que mostram o benefício das estatinas.
Na verdade, a pesquisa japonesa foi tão longe que sugere que as estatinas podem até ter sido a causa do aumento da população com insuficiência cardíaca.


Dr Malhotra alega que as emergentes evidências sugerem que os benefícios das estatinas têm sido muito exagerados e os efeitos colaterais subestimados.

Enquanto isso, o reputado cardiologista francês Dr Michel de Lorgeril afirmou que todos os estudos publicados depois de 2006 revelaram 'nenhum benefício' das estatinas para a prevenção cardiovascular em todos os grupos de pacientes.

Apoio inteiramente suas afirmações para uma reavaliação completa de todos os estudos com estatinas e até que "os médicos devam estar cientes de que as atuais alegações sobre a eficácia e segurança das estatinas não são baseadas em evidências". Além disso devemos exigir que a Unidade Clínica de Serviço Experimental da Universidade de Oxford divulgue os dados brutos sobre as estatinas para análise independente. São estes estudos patrocinados pela indústria, que resultaram na prescrição de estatinas para milhões de pessoas em todo o mundo, criando uma indústria multi-bilionária.


As drogas que não cumprem o que prometem

Mas de volta à visão mais ampla.
Faz um pouco mais de 10 anos desde que John Ioannidis, professor de Medicina e Política de Saúde na Universidade de Stanford, publicou um documento referência explicando por que quanto mais publicada, mais provável que a pesquisa médica seja falsa.

Mas não é apenas sobre os estudos que estão sendo mal concebidos, ou estatísticas sendo manipuladas. Ele chegou ao ponto de alegar que “quanto maior os interesses financeiros em um determinado campo, menor a probabilidade que os resultados da pesquisa sejam verdadeiros".

Infelizmente, existem vários exemplos recentes expondo que os nossos chamados órgãos fiscalizadores e reguladores, NICE e o MHRA, não estão apenas mal equipados para lidar com estas questões. Ou, como o ex-presidente imediato do Royal College of Physicians Sir Richard Thompson disse-me "são parte do problema, não da solução".

O NICE foi convocado quando vários médicos , incluindo Sir Richard, escreveram ao Secretário de Estado da Saúde demonstrando grande preocupação sobre a imparcialidade do grupo que desenvolveu as orientação sobre as estatinas, com 8 de seus 12 membros declarando relações financeiras com empresas fabricantes de estatinas e drogas afins.

E em abril de 2014 cientistas independentes da Colaboração Cochrane - considerado o corpo padrão ouro de cientistas independentes - concluiu que a Grã-Bretanha perdeu mais de £ 500 milhões com a droga da gripe Tamiflu.
Muitos ensaios clínicos têm fornecido dados falhos, argumenta Dr. Malhotra, e consequentemente os pacientes foram incorretamente medicados. 

Depois de ter o acesso aos dados de ensaios clínicos retidos, o grupo concluiu que o Tamiflu não era melhor que o paracetamol no alívio de sintomas de gripe e teve efeitos colaterais potencialmente graves, incluindo problemas renais e distúrbios psiquiátricos.

O NICE foi criticado por não pedir que os dados completos fossem liberados pela empresa farmacêutica fabricante da droga antes de dar a sua aprovação precipitada. Na época, no entanto, o fabricante Roche disse que estava aguardando dados mais precisos para o Tamiflu.

Enquanto isso uma investigação feita pelo BMJ revelou que o dispositivo do teste de coagulação do sangue usado em um ensaio publicado no New England Journal of Medicine estava com defeito, dando resultados falsamente baixos nas leituras de afinamento do sangue na comparação com a droga warfarin. Desta maneira "colocando em dúvida os resultados utilizados para apoiar o uso do melhor novo anticoagulante oral do mundo" Rivaroxabano, disse o jornal.

É claro que o NICE não saberia sobre o dispositivo com defeito, mas é preciso questionar o seu julgamento sobre a recomendação do uso da droga com base em um teste financiado pela empresa farmacêutica, que agora apela para que o estudo seja recolhido.

O fato é que as receitas médicas estão em um momento de alta, com mais de 1 bilhão entregue todos os anos - o número duplicou na última década - deve ser considerado como uma crise de saúde pública por si só.

Agora, quando um paciente vem ao meu consultório com qualquer novo sintoma, meu primeiro pensamento é “este poderia ser um efeito colateral de algum medicamento?”.
O sistema está quebrado e não pode ser corrigido apenas despejando mais dinheiro. A ganância empresarial e fracasso político sistemático deixou o SNS de joelhos.

Sem a total transparência e prestação de contas, nenhum médico pode fornecer o que nós trabalhamos arduamente durante a faculdade de medicina, e nos dedicamos de coração e almas para oferecer o melhor atendimento de qualidade para os nossos pacientes.

Na semana passada, em resposta a uma série de escândalos recentes - incluindo o fracasso das instituições e universidades no Reino Unido para combater a má conduta de investigação – o ex-editor do BMJ, Richard Smith, escreveu: “Há algo podre no estado de Medicina Britânico e tem sido assim por muito tempo. Para o bem da nossa saúde futura e para a sustentabilidade do SNS é hora de ação coletiva real contra ‘quantidade excessiva de medicamentos’”.

Isso pode começar com a comissão de contas públicas lançando um inquérito independente sobre a eficácia e segurança dos medicamentos.

Eu acredito que seja um escândalo subjacente provavelmente menor do que o escândalo do Mid Staffordshire do NHS - onde dezenas de pacientes morreram devido ao atendimento deficiente, um inquérito público concluído.

A ciência médica tem tomado a direção da escuridão.
E a luz solar será seu único desinfetante. 

_____________________


Leia também: 





Sugestões de livros e programas sobre a Dieta Paleo - Low Carb? Veja aqui 

Receba as novidades do Menos Rótulos por e-mail:
   
FeedBurner
 Siga MENOS RÓTULOS no Facebook e Instagram
 As informações contidas neste blog são relatos pessoais, ou artigos traduzidos com as devidas referências, não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer condição médica e não devem ser usadas como um substituto para o cuidado e orientação de um médico / nutricionista.