6 GRÁFICOS QUE MOSTRAM COMO A GUERRA CONTRA A GORDURA FOI UM ERRO GIGANTESCO

Desde os anos 80 ouvimos em todos os cantos que devemos evitar as gorduras saturadas. Mas será que isto estava certo?
Hoje sabe-se que trocar alimentos naturais por alimentos fabricados pelo homem, na maioria das vezes, não é uma atitude saudável. Entenda porque lendo o texto abaixo.


Texto original e links dos gráficos originais aqui. Tradução: Regiany Floriano

Por  

A "guerra" contra a gordura saturada é o maior erro na história da nutrição.

Conforme as pessoas foram reduzindo a sua ingestão de gordura animal e colesterol, a incidência de muitas doenças graves subiu. Estamos agora no meio de epidemias mundiais de obesidade, síndrome metabólica e diabetes tipo II.

Estudos realizados nas últimas décadas mostram conclusivamente que nenhuma gordura saturada, nem o colesterol alimentar causam danos aos seres humanos (1, 2, 3, 4). Os cientistas agora estão começando a perceber que todo o dogma do baixo teor de gordura foi baseado em estudos falhos que já foram totalmente desacreditados.

Aqui estão seis gráficos que mostram claramente o quão incrivelmente prejudicial tem sido aconselhar as pessoas a reduzirem o seu consumo de gordura animal.


1. Na Europa, os países que comem maior quantidade de gordura saturada apresentam os mais baixos riscos de doença CARDÍACA.
Você já ouviu falar do "Paradoxo Francês"?
É uma frase usada para descrever o fato aparentemente "paradoxal" pelo qual os franceses têm um baixo risco de doença cardíaca, mesmo comendo uma dieta que rica em gordura saturada.

Bem ... aqui está o paradoxo europeu, onde simplesmente não há correlação entre de consumo de gordura saturada e as mortes por doenças do coração em diferentes países da Europa.
Se tiver alguma coisa, os países que comem mais gordura saturada têm um risco menor de morrer de doença cardíaca.

A razão para isso é simples, na verdade a gordura saturada simplesmente não tem NADA a ver com doença cardiovascular. Não há paradoxo. Era um mito tempo todo (5).

Agradecimentos ao Dr. Andreas Eenfeldt pelo gráfico aprimorado.



2. A epidemia de obesidade nos EUA teve inicio praticamente ao mesmo tempo que as RECOMENDAÇÕES PARA REDUZIR A gordura dietética foram publicadas

No ano de 1977, a dieta de baixa gordura foi recomendada a todos os americanos. Olhando para trás, é interessante ver que a epidemia de obesidade começou praticamente no mesmo momento que as orientações foram lançadas.

Embora este gráfico não prove nada (correlação não iguala a causa), isso faz sentido, porque as pessoas começaram a desistir dos alimentos tradicionais, como a manteiga e substituíram pelos alimentos processados com "baixo teor de gordura", ricos em açúcar.

Desde então, muitos estudos maciços têm sido realizados sobre a dieta de baixa gordura. Estes estudos mostram claramente que a dieta de baixa gordura não leva a perda de peso e tem efeito nulo sobre as doenças cardiovasculares a longo prazo (6, 7, 8).
Apesar dos baixos resultados nos estudos, esta dieta continua sendo recomendada pelas entidades nutricionais em todo o mundo.


3. As dietas com alto teor de gordura, mas pobres em carboidratos determinam maior perda de peso do que as dietas pobres em gordura.

Se a gordura animal fosse tão ruim como dizem, então as dietas que contêm muito disto deveriam ser simultaneamente engordantes e prejudiciais à sua saúde. No entanto, os estudos não apoiam isso.
No estudo anterior, as mulheres comendo uma dieta rica em gordura, baixa em carboidratos, comendo até a saciedade, perderam duas vezes mais peso que as mulheres que estavam comendo uma dieta de baixa gordura, com restrição calórica.

A verdade é que as dietas ricas em gordura (mas pobre em carboidratos) consistentemente levam a resultados muito melhores do que as dietas de baixo teor de gordura, ricas em carboidratos.
Eles não somente causam maior perda de peso, como também levam a grandes melhorias em praticamente todos os principais fatores de risco para doenças como doenças cardiovasculares e diabetes (9, 10, 11).


4. As doenças da civilização aumentaram conforme a manteiga e a banha de porco foram substituídas pelos óleos vegetais e gorduras trans


Fonte: National Center for Health Statistics (US). Health, United States, 2008: With Special Feature on the Health of Young Adults. Hyattsville (MD): National Center for Health Statistics (US); 2009 Mar. Chartbook.

No século 20, várias doenças graves se tornaram comuns em seres humanos.
A epidemia de doença cardíaca começou por volta de 1930, a epidemia de obesidade começou em 1980 e a epidemia de diabetes começou por volta de 1990.
Mesmo que essas doenças fossem praticamente desconhecidas antes, elas já se tornaram os maiores problemas de saúde no mundo, matando milhões de pessoas por ano.
É evidente no gráfico acima, que estas doenças dispararam conforme as gorduras animais foram substituídas por gordura vegetal, margarinas e óleos vegetais processados.


5. A epidemia da obesidade começou quando pessoas reduziram o consumo de carne vermelha e os produtos lácteos integrais



Espanta-me que algumas pessoas ainda culpem os alimentos tradicionais, como a carne e a manteiga, pelas doenças da civilização. Estes alimentos têm mantido os seres humanos saudáveis por um tempo muito longo e colocar a culpa das novas doenças nos alimentos antigos, simplesmente não faz sentido.
Todos os dados mostram que as pessoas realmente reduziram o consumo destes alimentos e simultaneamente estas doenças aumentaram.

O gráfico acima, do Nurses Health Study, mostra que ao mesmo tempo que os americanos foram reduzindo o seu consumo de carne vermelha e laticínios integrais, a epidemia de obesidade estava começando.

6. No Estudo Framingham do Coração, a doença cardíaca sobe à medida que as pessoas substituem a Manteiga pela Margarina Toxica.

De volta ao tempo quando todos começaram a apontar o dedo para a gordura saturada como sendo a causa da doença cardíaca, a manteiga e outros produtos lácteos ricos em gordura foram demonizados.
Profissionais de nutrição em todo o mundo começaram a dizer às pessoas para substituírem a manteiga pela margarina... por ser baixa em gordura saturada, mas rica em gorduras trans artificiais.

Tal como acontece com muitas das "verdades" em nutrição, esta acabou por ter o resultado exatamente oposto. Considerando que a gordura saturada é inofensiva, as gorduras trans são altamente tóxicas (12, 13, 14).

No gráfico acima, com base no estudo Framingham do Coração, você pode ver como o risco de doença cardíaca sobe à medida que as pessoas comem menos manteiga e mais margarina.
Por alguma razão estranha, muitas organizações de saúde ainda estão recomendando para evitarmos a manteiga saudável para o coração e substituí-la pela margarina industrializada. 

__________________
 Siga MENOS RÓTULOS no Facebook e Instagram
 As informações contidas neste blog são relatos pessoais, ou artigos traduzidos com as devidas referências, não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer condição médica e não devem ser usadas como um substituto para o cuidado e orientação de um médico / nutricionista.