O que realmente causou a epidemia de obesidade? Como ela pode ser revertida?


Uma bombástica entrevista com Zoe Harcombe, falando tudo que muita gente nem sabe ou ainda não se convenceu...


O que realmente causou a epidemia de obesidade, e como ela pode ser revertida?
Artigo traduzido por Regiany Floriano. O original está aqui.

Por Dr. Mercola



O vídeo da entrevista do Dr Mercola com Zoe Harcombe

Para assistir a entrevista inteira, clique aqui.

Para ler a entrevista na íntegra, clique aqui.


A maioria das pessoas acredita que a perda de peso segue uma equação simples: comer menos, e se movimentar mais. Mas isso simplesmente não é verdade, e o livro de Zoe Harcombe, ”A Epidemia da Obesidade: O que causou isso? Como podemos pará-la?” é o documento mais abrangente que já vi que expõe essa falácia.

Se você já teve a curiosidade de saber porque uma caloria não é uma caloria, este é o livro de leitura obrigatória.

Zoe está trabalhando atualmente em seu doutorado em Nutrição e Saúde Pública, e seu livro fornece uma análise detalhada das razões históricas por trás do mito de calorias, e por que é falso.

"Eu poderia e provavelmente deveria ter escrito [o livro] há cerca de 20 anos atrás. Eu tinha um problema alimentar ainda adolescente e eu realmente refutei a teoria de calorias quando eu tinha 15 ou 16 [anos] ..." ela diz.

"Eu encontrei um livro que dizia que se você criar um déficit de 1.000 calorias por dia, seja por comer menos e / ou gastar mais, você vai perder aproximadamente meio quilo para cada déficit de 3.500 calorias que você criar. Então, isto deveria ser quase 1kg (aproximadamente 900 gramas) por semana.

Eu comecei isto quando eu tinha apenas cerca 54 kg ... No final do ano eu teria perdido 9 a 13kg. Eu estava bastante doente para ser honesta, e eu não tinha perdido os valores absolutos, ou seja 47kg que a fórmula disse que eu deveria perder em gordura, e não em água e massa magra.

Então, eu deveria saber então que aquilo era um monte de bobagens. Mas foram necessários 20 anos ou mais para eu realmente resolver isso."



O Papel da Termodinâmica na Compreensão da Obesidade

Aproximadamente dois terços do mundo desenvolvido está acima do peso, mas a maioria das pessoas quer estar magra. Nos EUA, cerca de 75 por cento dos homens norte-americanos e 67 por cento das mulheres norte-americanas estão agora com sobrepeso ou obesos. Então o que está acontecendo?

Zoe é matemática, ganhou uma bolsa de estudos para estudar matemática na Universidade de Cambridge. Curiosamente, este é o lugar onde o pioneiro cientista da computação e matemático, o britânico Alan Turing estudou matemática. Enquanto estava lá, ela mudou para Economia, mas seu interesse em números não mudou.

"Foi um problema de lógica para mim este paradoxo da obesidade. Nós não queremos estar com excesso de peso mas no entanto estamos. Claramente, o que estamos dizendo às pessoas, em termos de comer menos e gastar mais, se fosse tão simples assim, nós não teríamos um problema, muito menos uma epidemia”, diz ela.

No coração disto está um erro fundamental na compreensão da Lei da Termodinâmica.

A maioria das pessoas não consegue perceber que há muitas dinâmicas bioquímicas complexas que ocorrem e que não são levadas em consideração quando você apenas conta as calorias que entram e as calorias que saem.

Termodinâmica refere-se ao calor e movimento: termo = calor, dinâmica = movimento. É sobre o movimento da energia.

Como explicado por Zoe, a primeira lei da termodinâmica diz que, "Em um sistema fechado, em um equilíbrio térmico, a energia não é criada nem destruída. É conservada."

"Então, o corpo humano não é um sistema fechado. Nós não estamos em equilíbrio térmico, embora nós estejamos continuamente tentando chegar lá. Então, então você tem que colocar em pratica a segunda lei, e as pessoas que trabalham no campo de nutrição nunca consideram esta segunda lei.

A segunda lei é muitas vezes chamada a lei do bom senso e ela diz: "A energia será perdida e energia será consumida na criação de energia disponível."

Isso é onde fica realmente interessante em matéria de nutrição. Claro, nós suamos, perdemos líquidos, e perdemos substâncias fluidas. Nós vamos ao banheiro e perdemos todo o resto.

Porém é muito mais do que a energia utilizada tornando-se a energia disponível.".



os Efeitos térmicos dos nutrientes variam

Por exemplo, o efeito térmico da proteína, ou seja, a energia usada para fazer a energia da proteína estar disponível para o seu corpo, é algo em torno de 25 a 30 por cento, ao passo que o efeito térmico dos carboidratos é de cerca de 6 a 8 por cento.

Então, como observado por Zoe, há uma enorme vantagem competitiva desde o início. Mas, mesmo assim, não é sobre as calorias - é sobre energia, e a energia no corpo humano não diz nada sobre o peso.

A teoria de calorias afirma que há 3.500 calorias para meio quilo de gordura corporal. No entanto, ninguém na saúde pública parece saber de onde esse cálculo veio. Nem tampouco podem provar que é verdade.

Zoe tem um blog no qual ela desafia os profissionais em saúde pública a provar que a teoria das calorias é verdadeira ou deixarem de aplicá-la.

Como observado pelo Dr. Malcolm Kendrick, autor de Dados Adulterados: Como discernir conselho médico de tolice médica", grande parte da orientação médica que tomamos como evangelho é simplesmente inventada. Não há nenhum suporte e nenhuma ciência, e a teoria de calorias parece que se enquadra nesta categoria.

Enquanto não houver ciência que comprove o número de calorias em um quilo de gordura, é uma grande falha na lógica afirmar que tudo que você tem que fazer para perder esse quilo de gordura, seja criar um déficit calórico.



O Estudo da Fome desmentiu a Teoria das Calorias na década de 1940

Outra variável da equação é resistência inata do seu corpo para perda de peso. Dr. Ancel Keys, na verdade, refutou  a teoria de calorias em meados da década de 1940.

"A América tinha acabado de entrar na guerra com o bombardeio de Pearl Harbor... E ele estava olhando para a Europa dizendo:" Esses caras na Europa estão começando o racionamento. Na verdade, estiveram racionando desde 1941.
Quando o racionamento se transforma em  fome? E o que acontece quando os seres humanos não recebem as calorias, proteínas, gorduras, vitaminas e minerais de que necessitam por longo período de tempo? "

Dr. Keys decidiu fazer um experimento para investigar o impacto da fome em seres humanos, e acabou selecionando 36 jovens que se recusaram a lutar na guerra como voluntários. Primeiro, ele os monitorou para determinar suas necessidades para manter o seu peso, e então ele os colocou em uma dieta de restrição calórica por 24 semanas com cerca de 1.600 calorias. Eles também tiveram que caminhar por cerca de 45 minutos por dia.

"Muitos nutricionistas hoje em dia diriam: 'Isso não é suficiente, em questão de comer menos, gastar mais. Você precisa comer menos ainda e gastar ainda mais.' Mas, dentro de cerca de 10 semanas, esses caras desistiram de seus estudos no campus de Minnesota.

Eles pararam de cortejar mulheres, apesar do fato deles ainda serem os únicos caras na América. Eles perderam o interesse em tudo e qualquer coisa que não fosse comida, só pensavam quando a próxima refeição seria servida e sobre receitas. Eles ficaram obcecados por comida. Se alguma vez precisamos de uma visão sobre distúrbios alimentares, esse experimento forneceu. E eles não perderam nada do peso previsto por essa fórmula.

Keys teve de manter em redução as calorias ingeridas... E perto das 24 semanas, quando estavam abaixo de 1.000 calorias por dia, estes homens de estatura normal, não estavam perdendo mais peso. Eles simplesmente não conseguiam mais perder peso. Quando o Dr Keys encerrou o experimento e observou o que aconteceu em seguida com a re-alimentação, tudo neles era exagerado. Eles recuperaram todo o peso dentro de algumas semanas, e - aqui está a parte interessante - cerca de 10 por cento a mais!"



Experiências históricas: Dietas de calorias controladas e perda de peso

Francis Benedict fez a primeira experiência com calorias controladas em 1917. Todos os 12 homens que perderam peso em sua dieta de calorias controladas, recuperaram o peso de volta dentro de algumas semanas, além de algumas libras a mais. Dr. Keys obteve os mesmos resultados em seu estudo de 1945, seguido pelos pesquisadores Albert Stunkard e Mavis McLaren-Hume, que em 1959 concluíram o mesmo. "As pessoas simplesmente não mantém o peso atingido através de déficit calórico", diz Zoe.

O artigo de Marion Franz 2007 (1) reviu 80 estudos de 26.000 pessoas, e mais uma vez descobriu que quando as pessoas perdem peso, como resultado de uma restrição calórica, eles ganham tudo de volta e o caminho de volta vai acima do peso inicial. Um estudo 2015 (2) publicado no American Journal of Public Health mostrou o mesmo padrão, com 280.000 pessoas. "Quantas provas a mais precisamos para entender que comer menos e gastar mais simplesmente não funciona?", pergunta Zoe.

Uma das razões pelas quais a contagem de calorias não funciona tem a ver com a complexidade do corpo humano. Quando em uma dieta do tipo fome, seu corpo tende a desligar vários processos, a fim de sobreviver. Por exemplo, ao reduzir a função da tireoide, seu corpo não vai queimar tantas calorias. Em suma, ele altera a termodinâmica do seu corpo.



Seu corpo tende a se auto-regular de acordo com a Energia Disponível

Um estudo britânico chamado de EarlyBird Diabetes Study = Estudo da Diabetes Antecipada, crianças equipadas com pedômetros sofisticados, tiveram seus níveis de atividade comparados. Este estudo avaliou crianças que estudavam em escolas luxuosas que ofereciam muitas atividades físicas e esportivas, crianças que estudavam em escolas comuns com menos aulas de educação física, e as crianças que estudavam em escolas desfavorecidas, que não ofereciam qualquer atividade física programada.

Curiosamente, todas as crianças tinham aproximadamente o mesmo nível de atividade, não importa qual a escola, porque aquelas que se envolviam com esportes, chegavam em casa cansadas e permaneceram inativas fora da escola; as crianças menos privilegiadas passaram mais tempo ao ar livre, jogando futebol, ou andando de bicicleta. No final, todas as crianças gastaram aproximadamente a mesma quantidade de energia.

"Se você está tentando gastar mais calorias indo para a academia, seu corpo certamente vai te fazer ficar sem disposição para passar a roupa à noite, passear com o cão, ou cuidar do jardim. Seu corpo vai se ajustar a um nível superior. Se você forçá-lo, se você tiver essa força de vontade incrível, resistir ao desejo de comer mais e realmente continuar esforçando-se a fazer ainda mais exercícios físicos, seu corpo continuará se ajustando, particularmente nas mulheres. Uma das primeiras coisas a ser alterada é o sistema reprodutivo. O corpo desliga o ciclo menstrual. O sistema reprodutivo diz: "Isso é completamente dispensável”. Então, quantas calorias ou energia o sistema precisa para sustentá-lo? 

As pessoas sabem que se elas tiverem uma perda de peso grave e realmente estiverem muito abaixo do peso, ficarão extremamente frias porque o corpo apenas desliga o sistema de aquecimento. Pelos finos crescem ao longo dos braços e pernas de anoréxicos. É uma espécie de cobertura, como peles de animais, que é maneira de dizer do corpo: "Eu vou protegê-lo mesmo que você tenha desligado o sistema de aquecimento." Você pode desligar a tireoide para uma extensão. O corpo só reduz em modo de proteção básica, mas não reduz a gordura corporal. Na verdade, a última coisa que o corpo parece querer fazer é perder a gordura corporal.

É por isso que eu acabo dizendo às pessoas: 'Você tem que trabalhar com o seu corpo e não contra ele, se você quiser ser magro e saudável a longo prazo' ... Se você está confiando em calorias, e pensando como o fórmula lhe diz, que 50 calorias a menos por dia vai te fazer 2 kg mais leve no final do ano, você está sonhando. Isto simplesmente não funciona. Pare de contar calorias; isto não está ajudando ... É comer melhor. Não se trata de comer menos".



Para perder gordura você precisa treinar seu corpo a queimar gordura para o combustível

Eu acredito que o tempo da sua alimentação (ou seja, jejum intermitente) é outro fator importante para ajudar a otimizar o seu peso. Nossos ancestrais não tinham acesso a alimentação 24h/7dias, por isso nossa genética funciona melhor com alimentação em intervalos variáveis, e não a cada poucas horas. Quando você come a cada poucas horas durante meses, anos, ou décadas, nunca perdendo uma refeição, seu corpo se esquece de como queimar gordura como combustível.

Ele se torna muito ineficiente no que faz. Assim, mesmo que você tenha 5, 10, 20 ou 45kg de gordura em seu corpo, você não pode queimá-la. Como explicado por Zoe, um dos princípios básicos, fundamentais é que - com algumas exceções - você não pode queimar gordura corporal, se você tiver outro combustível disponível.

"Na grande maioria dos casos, se você tem carboidratos disponíveis, prontamente disponíveis na corrente sanguínea (por que você acabou de comer carboidratos), ou prontamente disponíveis na forma de glicogênio, dos quais podemos armazenar cerca de 1.500 calorias, contanto que você tenha isto, o seu corpo não tem absolutamente nenhuma necessidade de quebrar a gordura corporal”, diz ela, acrescentando:

"Eu tracei um cenário em uma apresentação que eu fiz recentemente, comparando alguém que consumiu calorias predominantemente dos carboidratos e alguém que está consumido predominantemente gordura, proteína, carne, peixe, ovos, laticínios, nozes e sementes (o que chamamos de boas calorias). Seu corpo pode usar as boas calorias, porque a gordura e proteína também são utilizados para as necessidades metabólicas basais, a reparação celular, a infecção combate, e construção de densidade óssea.”

O problema é que as pessoas estão sendo orientadas a ter metade ou mais (geralmente 55 a 60%) de sua dieta na forma de carboidratos. Zoe cita a equação de Harris Benedict que nos diz que mesmo uma pessoa ativa só necessita de cerca de 25 por cento de sua dieta na forma de algo que pode ser transformada em energia, e isso é tanto carboidratos ou gorduras. Eu suspeito que níveis mais altos possam ser úteis para alguns nas fases iniciais da perda de peso.

Mas de qualquer forma, desde que você esteja recebendo gordura saudável o suficiente, você não precisa de carboidratos para cobrir suas necessidades energéticas. Na verdade, a fim de utilizar a energia fornecida por uma dieta com 55 por cento de carboidratos que você teria que ser um triatleta ou alguém que se exercitasse vigorosamente durante horas todos os dias.

"Naturalmente o que é o diabetes tipo 2? O parceiro da epidemia de obesidade. Diabetes tipo 2 é o corpo dizendo: 'Chega. Eu não posso lidar com tantos carboidratos, a quantidade de hidratos de carbono e a qualidade de carboidrato . Eu estou cheio. Agora, eu não posso mais lidar com isso. "Estamos abusando de nosso metabolismo diariamente.

No Reino Unido, nutricionistas estão dizendo às pessoas para ter três ou quatro refeições por dia, e lanches nos intervalos ... Alguns comem antes de dormir, e alguns comem quando acordam. Por favor, precisamos parar de comer por algumas horas!"


As recomendações de uma alimentação rica em Carboidratos e reduzidas em gordura estavam todas erradas

A recomendação para reduzir a gordura e comer mais carboidratos é sem dúvida um dos principais contribuintes para a epidemia de obesidade. Felizmente, existem agora sinais de uma mudança, pelo menos nos EUA. Em fevereiro o Comitê Consultivo para as Orientações Dieteticas (DGAC) apresentou o seu Relatório Científico de 2015 3,4,5 para o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) e Saúde e Serviços Humanos (HHS), que serve como base para o desenvolvimento de orientações dietéticas dos EUA.

O DGAC não só sugere a eliminação de advertências sobre o colesterol da dieta, como ele também reverte quase quatro décadas de política de nutrição, concluindo que as gorduras da dieta não têm impacto sobre o risco de doença cardiovascular.

"O colesterol da dieta, esta pequena frase, não é um nutriente de preocupação", diz Zoe. "Por que foi sempre um nutriente de preocupação, eu não sei. O próprio Ancel Keys disse, 'Colesterol nos alimentos não tem qualquer impacto sobre o colesterol no sangue'. Nós soubemos disso este tempo todo. Mesmo o cara por trás de tudo isso nunca esteve preocupado com o colesterol da dieta. Porém, a gordura total é bem interessante, por que se você olhar o projeto das diretrizes, ela é claramente ausente.

A Gordura total simplesmente não é mencionada e eu não acho que eles vão sair e dizer, 'Pessoal, nós estivemos errados. Realmente sentimos muito. Nós fizemos dois terços de vocês engordarem e adoecerem. A culpa é nossa.’ Eu não acho que ninguém nunca vai ser capaz de fazer isso, porque eu acho que haveria processos judiciais, e acho que deveria haver processos para o dano que foi feito às pessoas".

Uma das razões pela quais a gordura saturada tem sido criticada por tanto tempo, é por que ela é confundida com a gordura trans, que é um artefato da industrialização. A gordura trans é que, de fato, aumenta o risco de morte prematura por praticamente todas as doenças - doenças cardíacas, câncer, diabetes e mal de Alzheimer. A gordura trans tem estado por aí há 125 anos ou mais. Mas enquanto isto a gordura saturada foi associada com esses problemas de saúde (por ter ser confundida com a gordura trans), mas não é a causa das referidas doenças.

É bem conhecido que a associação não prova a causalidade. E eles nunca diferenciaram essas duas, é por isso que a gordura saturada se tornou tão difamada. A maioria dos estudos mais recentes sugere que a gordura saturada é benéfica, enquanto a gordura trans é a que cria problemas.

"As pessoas não conhecem seus macronutrientes ... Todos os alimentos que contém gordura, contém todos os três gorduras:... Saturadas, monoinsaturadas e poli-insaturadas. Não há exceções. Então, nós temos autoridades da saúde pública dizendo: 'Evite as gorduras saturadas e comam mais gordura insaturada", como se isso fosse realmente possível.

Pegue um bife normal. Nada é mais demonizada do que a carne vermelha. Bife do traseiro é 71 por cento de água, 21 por cento proteínas, cerca de sete por cento do que sobra é gordura, e dois por cento é gordura saturada. Assim, não há mais gordura insaturada que gordura saturada na carne vermelha. Mesmo em peixes, mais insaturada, e mesmo em nozes e sementes. Só há um grupo de alimentos que tem mais saturada do que gordura insaturada, que são os produtos lácteos ."



Estratégias para perda de peso que funcionam

Então, que conselho Zoe tem para quem está lutando com problemas de peso? Sua recomendação número um é para comer comida de verdade, o que significa comida na forma mais natural que você puder encontrar. Idealmente, produtos orgânicos, de animais alimentados a pasto quando se trata de carnes e produtos de origem animal, como laticínios e ovos.

"Alguns dos melhores alimentos de qualidade no planeta são também os mais baratos", observa ela. "Fígado e cebola, por exemplo. Se alguém puder encontrar um alimento mais nutritivo do que um simples fígado, eu adoraria saber. Porque no momento, o fígado é o meu vencedor, e tem sido por algum tempo. As sardinhas estão entre as mais nutritivas ente os peixes oleosos, e elas podem ser muito, muito baratas. Conservas de sardinhas são ótimas, porque você tem os ossos e a pele também, e são excelentes para a nutrição dos ossos, por que tem cálcio, vitamina D, e assim por diante. O primeiro ponto é: sempre comer comida de verdade.

O segundo princípio é cortar o número de vezes que você está comendo todos os dias. Eu diria que esses dois princípios por si só já colocaria a maioria das pessoas no caminho. Se você está com dificuldades, então é quando eu diria que gerenciar sua ingestão de carboidratos. Assim, mesmo que consideramos como bons, os laticínios ainda podem ser ricos em carboidratos para algumas pessoas, particularmente sensíveis e carboidratos-insulino-resistentes. Você sabe que se já estiver com diabetes tipo 2 ou obesidade mórbida, há grandes chances de que você realmente terá que manter a sua ingestão de carboidratos a um nível bastante apertado. E é isso."

Sobre isso, eu gostaria de acrescentar evitar ficar sentado e movimentar-se ao longo do dia, e praticar exercícios regularmente. O exercício não vai causar uma significativa perda de peso sem considerar sua dieta, mas quando feito em combinação, pode ser extremamente benéfico.


CONFLITOS DE INTERESSES NAS ORIENTAÇÕES NUTRICIONAIS VERDADEIRAS




Uma coisa que estava no caminho da orientação alimentação correta por parte do governo são os conflitos de interesse. Como Zoe explica:

"O Reino Unido tem algo que ele chama o Acordo de Responsabilidade. Nós o chamamos de Acordo de Irresponsabilidade. É realmente a intenção declarada do governo em trabalhar com a indústria de alimentos falsos, para tentar fazer algo sobre obesidade. Há um professor no Reino Unido que disse: "Você pode muito bem colocar o Drácula no comando do banco de sangue." É realmente tão louco como isso. Eu tenho um pequeno quadro mostrando estes conflitos de interesses. Essas são as organizações por trás das recomendações nutricionais de saúde pública”.

Nós realmente não temos mais um governo do povo. Temos o governo para as corporações agora, e pequenos grupos de interesses especiais estão se beneficiando de forma bastante dramática em detrimento da grande maioria do público.

"Foi interessante ver Michelle Obama quando Barack Obama chegou ao poder, e ela queria fazer algo sobre a obesidade. A mensagem inicial foi para comer as coisas certas e se afastar de todo esse lixo. Isso mudou tão rapidamente. Foi quase como se ela tivesse recebido um telefonema de alguém dizendo: “Ei, lembre-se quem financiou para o seu marido entrar na campanha.”

De repente, tornou-se 'Vamos nos mover.' Mover-se é uma boa coisa a fazer, mas você não pode correr mais que uma má alimentação. Se as crianças norte-americanas continuam recebendo os hambúrgueres, as batatas fritas, os milkshakes e o sorvete, não há nenhuma quantidade de exercício que elas possam fazer.  Isso está realmente acontecendo, prevenir a obesidade fornecendo uma dieta ruim.

Os conflitos são endêmicos, eles estão em todos os lugares. Portanto as pessoas vão ter que fazer isso por si mesmas. Cada um de nós pode levar à falência a indústria de alimentos falsos e colocar as companhias de medicamentos para fora do negócio ao tomarmos conta da nossa própria saúde, e dizermos: 'Nós simplesmente não queremos esse lixo. "Então, não vamos precisar das drogas e nenhum do nosso suado dinheiro vai para ir para a Coca-Cola, Pepsi, indústrias de chocolates, ou de qualquer outra coisa. Cabe a nós.”

Para saber mais, eu recomendo pegar um exemplar do livro de Zoe, “A Epidemia da Obesidade”. É uma referência magnífica que identifica claramente as falhas fatais de pensar que perder peso é apenas uma simples equação de comer menos e fazer mais exercício. O livro vai lhe dar os dados que você precisa para compartilhar com quem ainda acredita que tudo o que você precisa fazer é comer menos e mover-se mais para perder peso. Porque isso simplesmente não é verdade. A verdadeira resposta é comer comida de verdade, podemos reduzir o número de refeições por dia, controlando a sua proporção de gordura e de carboidratos, juntamente com atividade física.



[-] Fontes e Referencias



Outros artigos interessantes:

Você não pode correr mais que uma má alimentação

A cura para o Diabetes

As recomendações dietéticas estão piorando os problemas dos Diabéticos?

As dietas para perda de peso e a fome

Diabetes, assuma o comando da sua própria saúde

Gordura não te faz engordar

O que as pessoas não sabem sobre nutrição (mas deveriam saber)




Sugestões de livros sobre a Dieta Paleo - Low Carb? Veja aqui

Saiba das novidades do Menos Rótulos por e-mail:
    
 Siga MENOS RÓTULOS no Facebook e Instagram
 As informações contidas neste blog são relatos pessoais, ou artigos traduzidos com as devidas referências, não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer condição médica e não devem ser usadas como um substituto para o cuidado e orientação de um médico / nutricionista.