AS RECOMENDAÇÕES DIETÉTICAS ESTÃO PIORANDO OS PROBLEMAS DOS DIABÉTICOS?

Os médicos recomendam aos diabéticos que se alimentem normalmente e controlem o seu peso, mas são recomendações controversas, pelo simples fato que quem tem problemas com as altas taxas de açúcar no sangue e quem precisa perder peso, deve evitar alimentos que elevem a glicemia.


Are diabetics being given diet advice that just makes their problems WORSE?
Texto publicado no Daily Mail no dia 070/9/2015 traduzido por Regiany Floriano. O original está aqui.


AS RECOMENDAÇÕES DIETÉTICAS ESTÃO PIORANDO OS PROBLEMAS DOS DIABÉTICOS?

Todos os dias, 400 pessoas na Grã-Bretanha recebem um diagnóstico de diabetes tipo 2
- Estudos indicam que a perda de peso pode ser incrivelmente eficaz.
- No entanto, muitos não estão recebendo a orientação de estilo de vida que eles precisam.
- São incentivados a comer uma dieta equilibrada “aplicáveis à população em geral ".
- "Alguns carboidratos rapidamente se transformam em glicose no sangue e devem ser evitados”.

Há mais de três milhões de pessoas neste país que vivem com diabetes tipo 2 e outros cinco milhões consideradas em risco de desenvolver a doença. A Associação Britânica de Diabetes, alertou que o custo do tratamento de pacientes "poderia falir o sistema de saúde". Na segunda parte da nossa série, nós revelamos o pensamento mais recente sobre o controle da doença complexa.

Quando Sarah Gibbs,  mãe de três filhos foi diagnosticada com diabetes tipo 2 em maio de 2014, uma enfermeira lhe disse que seus níveis de açúcar no sangue estavam demasiadamente elevados, deu-lhe uma prescrição de medicação para ajudar a reduzi-los  “e pronto ".
Sarah, de 42 anos, de Newport, Gwent, foi para casa, leu sobre as complicações que ela estava propensa a sofrer se não controlasse o açúcar no sangue e entrou em pânico. "Eu sentia que minha vida estava acabada," ela diz.

Cada vez mais as pesquisas indicam que a forma mais eficaz para controlar o diabetes tipo 2 é perder peso, mudando sua dieta e sendo mais ativo.


No entanto, como você consegue controlar o açúcar no sangue e por que tantas pessoas estão fazendo errado?

A medicação pode ajudar, mas cada vez mais estudos indicam que a forma mais eficaz para as pessoas resolverem esta desordem é a perda de peso, mudar a sua dieta e serem mais ativas. No entanto, como Sarah descobriu, muitos não conseguem receber as orientação que eles precisam para mudar o estilo de vida. A necessidade urgente reforçada pela novas estatísticas de Saúde Pública da Inglaterra, mostram que oito em cada dez pessoas com diabetes tipo 2 na Inglaterra são ambos obesos (ou seja, com um IMC de 30 ou mais) e têm níveis insalubres de inatividade.

Além disso, há evidências de que, longe de ajudar, as recomendações mais frequentemente feitas sobre a dieta podem realmente estar tornando mais difícil para os diabéticos tipo 2 manterem sua condição sob controle.

A diabetes Tipo 2 ocorre normalmente quando a gordura obstrui o fígado, o órgão que regula o fornecimento de glicose para alimentar o corpo, e o pâncreas, a pequena glândula atrás do estômago que produz o hormônio insulina que leva a glicose do sangue para as células.

Mas esta gordura pode ser eliminada, permitindo a volta da produção normal de insulina, com a perda de cerca de 15 por cento do peso corporal. Isto significa que os níveis de glicose no sangue voltam ao normal imediatamente, um efeito que dura pelo menos dois anos.

"Sabemos agora que uma vez que as pessoas com diabetes tipo 2 consigam perder peso e reduzir a gordura corporal, o diabetes vai desaparecer", explica o professor Roy Taylor, da Universidade de Newcastle.
"Este conhecimento é o pó de ouro para muitas pessoas com diabetes tipo 2. Se eu tivesse esta doença, eu faria isso ", diz ele.

Orientações do National Institute for Health and Care Excellence (NICE), o cão de guarda do Sistema de Saúde, recomendam a perda de até 10 por cento do peso corporal. 

Mas as recomendações dietéticas podem fazer mais mal do que bem, dizem alguns especialistas. De acordo com o NICE, qualquer pessoa com diabetes tipo 2 deve ser incentivada a comer "uma dieta saudável, equilibrada, que é aplicável à população em geral" - em outras palavras, refeições contendo um equilíbrio de proteínas, legumes e, crucialmente, a abundância de hidratos de carbono complexos, incluindo pão, arroz e massas.
No entanto, agora alguns especialistas insistem que essa dieta pode realmente contribuir para a diabetes tipo 2.

"Sabemos que a diabetes tipo 2 se desenvolve quando a glicemia se eleva acima de um certo nível - e tanto faz se é açúcar, arroz, pão ou batatas, esses carboidratos rapidamente se transformam em glicose em sua corrente sanguínea e por isso devem ser evitados," diz o Dr. David Cavan, ex-um médico consultor no Bournemouth Centro de Diabetes e de Endocrinologia e agora Diretor de Políticas e Programas na sede da Federação Internacional de Diabetes e autor de “Reverta o seu Diabetes”.

Não é apenas o NICE, que diz aos diabéticos tipo 2 que podem continuar a comer carboidratos ou alimentos açucarados. A instituição de caridade,a Associação Britânica de Diabetes, assegura aos visitantes do seu site (diabetes.org.uk) que “Ter diabetes não significa que você tenha que cortar açúcar de sua dieta completamente. Todos nós gostamos de comer alimentos açucarados ocasionalmente, e não há nenhum problema em incluí-los como um mimo em uma dieta saudável equilibrada ".

No entanto, o Dr. Aseem Malhotra, consultor clínico associado à Academia Royal Colleges, no mês passado desafiou a Associação Britânica de Diabetes a explicar por que eles continuam a recomendar "carboidratos reconhecidos como promotores do armazenamento de gordura e da fome" para um grupo de pessoas onde a maioria deles necessita urgentemente perder peso.

Ele disse: "Considerando que a diabetes tipo 2 é uma condição relacionada com uma deficiência em metabolizar carboidratos, é intrigante que Associação Britânica de Diabetes recomende como parte de uma" dieta saudável e equilibrada "o consumo de muitos carboidratos e pequenas quantidades de alimentos açucarados e bebidas, incluindo bolos e biscoitos.”

A melhor intervenção a longo prazo para o diabetes tipo 2, diz o Dr. Cavan, é restringir carboidratos cortando o açúcar e o amido e substituindo-o por vegetais não-amiláceos (verduras), com alguns alimentos gordurosos, como queijo e iogurte integral sem açúcar, juntamente com outras fontes de proteína caloricamente densas.

Nigel Fowler é um testemunho vivo dos benefícios desta abordagem. Agora com 44 anos, ele foi diagnosticado com diabetes tipo 2 em Novembro de 2014 e os seus níveis de açúcar no sangue eram tão altos que ele precisava de seis injeções de insulina por dia. Mas isso não impediu que sua glicose no sangue de oscilasse caoticamente, no entanto, ele diz: “Eu não recebi nenhuma recomendação sobre minha dieta da enfermeira que me aplicou as primeiras injeções, exceto que eu deveria continuar com os meus hábitos normais”.

"No meu caso, isso significava quatro biscoitos de cereais no café da manhã, vários sanduíches durante o dia e, geralmente, uma torta à noite."
Ao invés de aconselhar a mudar sua dieta, a enfermeira colocou o bolo no cálculo para decidir a quantidade de insulina que ele precisaria.

"Isso efetivamente significava que eu tinha que comer - ou eu arriscaria ter uma hipoglicemia (quando o açúcar no sangue torna-se perigosamente baixo). Era como bater com um martelo na cabeça e, em seguida, tomar analgésicos para a dor. "

Em março deste ano, o proprietário do estabelecimento Nigel, de Norden perto Rochdale, leu um artigo que discutia novas evidências dos benefícios de saúde das dietas de baixo teor de carboidratos, ricas em gordura e decidiu reduzir a quantidade de alimentos ricos em amido e açucarados em sua dieta - cortar pão e bolos e substituir seu cereal do café da manhã por frutas e creme de leite para alimentá-lo pela manhã.

'Uau! Que diferença ", diz ele. Ele perdeu perto de 6kg desde março - mas diz que a diferença real é "a calmaria do efeito ioiô na minha glicose no sangue. Eu perdi o pouco de gordura em torno de minha cintura e me sinto mais em forma e, geralmente, mais feliz. "

É uma abordagem que está ganhando popularidade. Cerca de 280 mil pessoas agora trocam dicas no fórum diabetes.co.uk on-line sobre o controle do diabetes com uma dieta baixa em carboidratos. Lendo suas histórias levou David Unwin, de Southport GP, a mudar fundamentalmente o tratamento da diabetes de seus pacientes.

No ano passado, a revista Diabetologia publicou um estudo com 19 pacientes com diabetes tipo 2 no Centro Cirurgico do Dr. Unwin, que perderam uma média de 8,65 kg (£ 19) ao longo de sete meses em uma dieta low-carb, rica em gordura, reduzindo os seus níveis de glicose no sangue em quase um quarto.
Ainda este ano, o Dr. Unwin vai publicar um novo estudo de 69 pacientes com doença hepática gordurosa não alcoólica, um precursor da diabetes tipo 2, bem como doenças do coração, mostrando uma melhora de 46 por cento nos testes sanguíneos hepáticos, e, portanto, uma redução do risco de elevados níveis de glicemia após uma média de 13 meses em uma dieta baixo-carboidrato alta -gordura.

Outra alternativa é uma dieta de muito baixas calorias (VLCD). Isso foi testado em um estudo pioneiro realizado por cientistas da Universidade de Newcastle e publicado em 2011 na revista, Diebetologia. Todos os 11 pacientes no estudo reverteram a diabetes tipo 2 após oito semanas em uma dieta de 600 calorias por dia com líquidos de sachês de sopas e shakes com vitaminas e minerais essenciais.

Ainda não está disponível no Sistema de Saúde, enquanto se aguarda uma pesquisa em andamento de cinco anos, financiada pela Associação Britânica de Diabetes, para testar se as pessoas podem se submeter a tal dieta sob a supervisão de seu médico de família com segurança e eficácia. Um fator chave é que os que seguirem esta dieta devem parar com a sua medicação para diabetes antes de começar a VLCD, porque a combinação de drogas e dieta pode fazer com que seus níveis de glicose no sangue a caiam a níveis perigosamente baixos.

Apesar da clara importância da dieta para diabéticos tipo 2, qualquer um que sentir necessidade de orientações sobre estilo de vida e controle de peso deve procurar por conta - não presumo que será oferecido. Enquanto alguns clínicos gerais e suas enfermeiras especializados em diabetes são muito bons em discutir este assunto com os pacientes, o Dr. Unwin diz que outros podem sentir que falar a respeito de problemas de peso, até mesmo sobre obesidade, é muito pessoal, até mesmo rude.

"Até bem recentemente, eu tinha a mesma abordagem convencional para a gestão de um paciente recém-diagnosticado com diabetes tipo 2", diz ele. “Eu alertava os pacientes que se eles não conseguissem controlar o açúcar no sangue com a dieta, eles teriam que tratar com medicamentos. Quanto a perder peso, que não era o meu campo então eu os encaminhava a um nutricionista. No entanto, agora eu acredito que um médico bem-informado e motivado possa realmente ajudar as pessoas a controlar o seu peso e transformar suas vidas”.


Por que as drogas do sistema de saúde podem não funcionar
Quando a condição não pode ser controlada apenas por mudanças do estilo de vida, a primeira droga normalmente oferecida a alguém com diabetes do tipo 2 é a metformina. Estes comprimidos reduzem a quantidade de glucose liberada pelo fígado e tornam as células do corpo mais sensíveis à insulina.

No entanto, algumas pessoas acham que a droga não funciona ou que não podem tolerar isso, então eles precisam de uma medicação adicional ou diferente para ajudar a manter o açúcar no sangue estável.

Existem algumas alternativas eficazes que impeçam a hipoglicemia (quando o açúcar no sangue cai a níveis muito baixos) e o ganho de peso. Juntas, essas medidas melhoram o controle do diabetes e o risco de complicações a longo prazo, diz Tony Barnett, professor emérito de medicina na Universidade de Birmingham e Heart of England NHS Foundation Trust. 

Dados publicados recentemente constataram que uma droga injetável, a liraglutida, que aumenta a quantidade de insulina produzida pelo corpo, pode ajudar as pessoas com diabetes de tipo 2 a perder uma média de 6 por cento do seu peso corporal durante 56 semanas, bem como controlar os níveis de glicose e reduzir o risco de hipoglicemia.

No entanto, as diretrizes do NICE ainda recomendam medicamentos mais antigos, como sulfoniluréias, a repaglinida e pioglitazona - o que pode causar ganho de peso, hipoglicemias e outros efeitos colaterais desagradáveis.

"O custo destes medicamentos mais antigos é entre £ 1 e £ 3 por mês em comparação com £ 30 a £ 35 por mês das drogas mais novas," diz o professor Roger Gadsby de Warwick Medical School.
"Se os médicos prescreverem os novos medicamentos para cada novo paciente com diabetes, os custos com as drogas para diabetes podem aumentar em cerca de 250 milhões de libras por ano."


Um Kit “faça VOCÊ mesmo” me colocou de volta na pista

Um glicosímetro é um dispositivo com o qual você pode verificar o açúcar no sangue quantas vezes quiser. Existem vários tipos disponíveis nas farmácias com valor inferior a £ 20.
Você testa uma pequena gota de sangue obtida picando a pele com uma lanceta (lâmina afiada) e colocando-a numa tira descartável, que é então inserida no medidor.

A medição dos níveis de açúcar no sangue por si mesmo é "uma das principais habilidades do tratamento bem sucedido da diabetes", de acordo com a comunidade on-line de diabetes, o diabetes.co.uk.
Não era até ela começar a usar um glicosímetro que Marie Nimmo, 50 anos, profissional de saúde e mãe de dois filhos de Galston, Ayrshire, foi capaz de alcançar os níveis saudáveis de açúcar no sangue e superar seus sintomas de fadiga e confusão.

Diagnosticada em abril de 2013, ela se sentiu 'apodrecida' - até três meses após o diagnóstico, quando ela descobriu o fórum diabetes.co.uk e encontrou 'a maioria dos membros monitorado o impacto das refeições ricas em carboidratos e das atividades em seus níveis de glicose diariamente ".

Ela comprou um glicosímetro e tiras de teste e começou a testar sua glicose no sangue antes e após as refeições. "Ele me deu uma ideia clara do impacto do que eu comia e os diferentes tipos de atividade", diz ela.
Como resultado, ela cortou o pão, massas, batatas e arroz, comprou uma bicicleta ergométrica de segunda mão e perdeu 12 kg (ela agora tem 70kg e 1,70).

"Mais importante, os meus níveis de glicose no sangue são normais. Eu não sou uma santa - como guloseimas como todos os outros. Se eu comer duas fatias de bolo, como eu fiz no meu aniversário de 50 anos na semana passada, eu vou gastar o excesso de glicose,mesmo ficando suada e irritada porque se não é meu pobre pâncreas que vai ter que trabalhar muito duro”, diz ela.



Ficar em pé é melhor do que ir pra academia?

Mudança na dieta é a chave para controlar ou reverter diabetes tipo 2, mas isso não vai funcionar para quem continuar com um estilo de vida sedentário.
E isso inclui as pessoas que se exercitam vigorosamente antes de se jogar no sofá na frente do computador ou TV.

Uma revisão de 47 estudos, publicados na revista Annals of Internal Medicine deste ano, revelou que ficar sentado por mais de oito horas em um dia aumenta o risco de diabetes tipo 2 em 90 por cento. E, embora haja algum benefício no exercício vigoroso, não é suficiente para anular os riscos de se sentar por horas a fio.

"Nós precisamos fazer alguma coisa quando não estamos fazendo exercícios. Precisamos encontrar desculpas para se levantar e se movimentar, "diz o Dr. Aviroop Biswas do Instituto de Reabilitação de Toronto, no Canadá, que realizaram a avaliação.
Ele diz pra subir pela escada e não pelo elevador; caminhar até as lojas em vez de ir de carro; e carregar as compras em vez de usar um carrinho.


Outros artigos interessantes:

Diabetes tipo 2 -  assuma o comando da sua saúde 





Curta MENOS RÓTULOS no Facebook