Cinco maneiras para combater a depressão (sem medicamentos!)

A depressão pode ser comparada aos dias nublados na vida de muitas pessoas, sempre cinza... 
Mas há maneiras simples de tentar amenizar o problema, a começar por aproveitar os dias ensolarados! O importante é não deixá-la ser mais forte que nós mesmos.


Texto traduzido por Regiany Floriano. O original está aqui.


A depressão é a principal causa de incapacidade em jovens norte-americanos, um encargo significativo tanto para os afetados como para aqueles que os rodeiam.


Com tantos sofrendo desta condição, o mercado tem criado uma série de tratamentos para corrigir o problema. Como qualquer outro problema médico, existem terapias baseadas na ciência e tentativas infundadas de lucrar com a desgraça dos outros. Embora as drogas sejam o tratamento padrão baseado em evidências, novos dados lançam uma luz sobre as formas de combater a depressão sem medicamentos. 

Aqui estão cinco maneiras baseadas em evidências para combater a depressão sem medicamentos:

1 - Exercício: Múltiplos estudos mostram os efeitos benéficos do exercício sobre tudo, desde a condição cardiovascular ao estado emocional. A última revisão das evidências disponíveis mostra que o exercício pode ser tão bom quanto as drogas no tratamento da depressão. O que é ainda melhor, os dados mostram que há benefícios significativos no estado emocional com menos de duas semanas de exercício. Considerando que os medicamentos antidepressivos levam 6 a 8 semanas para vermos efeitos, isto é ótimo!


2 - Luz solar: Se você estiver familiarizado com transtorno afetivo sazonal, você já deve saber o quão importante é a luz solar para o humor. A pesquisa mostra que a produção de serotonina pelo cérebro está diretamente relacionada com a exposição à luz solar, ou seja, mais luz solar significa mais serotonina. Sabendo-se que os antidepressivos mais comumente prescritos, são inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) e atuam aumentando a serotonina cerebral, esse dado é ainda mais interessante.




3 - Sono: Embora a maioria de nós concorde que uma boa noite de sono ajuda no humor, os dados sugerem que não dormir o suficiente pode predizer depressão futura. Muitos estudos mostram que menos de cinco horas de sono por noite pode aumentar nosso risco de depressão em 53%, 27% acima dos das normais 7 a 8,9 horas por noite.





4 - Café: Enquanto muitos tem medo desta bebida, a pesquisa sobre mais de 50.000 mulheres descobriu que o consumo de café com cafeína diminui o risco de desenvolver depressão. Um estudo finlandês demonstrou resultados semelhantes nos homens, com o consumo de café diminuindo o risco de depressão em vários milhares de indivíduos.

5- Dieta: O papel da dieta no estado emocional é um campo em desenvolvimento e fascinante. Seguir uma Dieta Mediterrânea pode reduzir as chances de depressão, com maior adesão, levando a melhores efeitos preventivos. A pesquisa mostra que dietas com alto índice glicêmico estão associados com a depressão em idosos. Além disso, consideram que o consumo de fast food também está relacionado com a depressão.




Mensagem final:

- 30 minutos de exercício 3-5 vezes por semana oferece benefícios em muitos aspectos da sua saúde, mas também pode ser um dos nossas melhores terapias antidepressivas.

- Passar algum tempo ao sol pode ser uma boa maneira de aumentar a serotonina, que é um fator chave no tratamento da depressão.

- Conseguir 7 a 9 horas de sono recomendado por noite vai fazer você se sentir bem, e também pode fazer de você uma pessoa mais feliz.

- Uma ou duas xícaras de café vai acordá-lo, e também pode melhorar seu humor.

 - Seguir uma dieta mediterrânea, uma dieta de baixo índice glicêmico, sem  fast food pode fazer de você uma pessoa mais feliz (e mais saudável).


_________________



Sugestões de livros sobre a Dieta Paleo - Low Carb? Veja aqui 



(não esqueça de confirmar a inscrição)


 Siga MENOS RÓTULOS no Facebook e Instagram

 As informações contidas neste blog são relatos pessoais, ou artigos traduzidos com as devidas referências, não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer condição médica e não devem ser usadas como um substituto para o cuidado e orientação de um médico / nutricionista.