Corredores em LOW-CARB queimam 50% mais gordura do que aqueles que consomem muitos Carboidratos



Porque pessoas que estão acima do peso que praticam atividades físicas intensas rotineiramente, não emagrecem como gostariam?

A resposta pode estar aqui. Um estudo feito com atletas de resistência, seguindo dietas diferentes mostrou a eficácia da low carb na queima de gordura corporal.

Artigo traduzido por Regiany Floriano. O original está aqui.


O debate tem sido travado há anos sobre uma questão nutricional importante. Os corredores deveriam ingerir carboidratos antes de uma corrida, não comer nada ou ingerir proteínas? Uma nova pesquisa mostrou que uma dieta baixa em carboidratos, que é normalmente mais elevada em proteína e gordura, pode dar um novo rumo aos corredores de longa distância.


Um novo estudo fornece evidências de que atletas de resistência em particular, podem treinar em níveis elevados sem consumir carboidratos durante as competições, disse Patrick Davitt, Ph.D., de Mercy College em Dobbs Ferry, Nova Iorque.

O mito do carbing up (alto teor de carboidrato) pode realmente estar retardando os corredores, disse ele. Isso porque os carboidratos dão uma explosão de energia rápida e são metabolizados em açúcar que o corpo pode prontamente usar, o corpo prefere queimar os açúcares do que queimar gordura, porque eles são mais fáceis de metabolizar. Isso significa que se o corpo pode ter a energia suficiente dos carboidratos, ele não vai utilizar a gordura como combustível.

A queima de gordura é tipicamente uma meta dos corredores e provavelmente não devido às razões que você pensa. Enquanto a maioria das pessoas se esforça para emagrecer por razões estéticas, os corredores, na verdade, tornam-se mais rápidos e tem um desempenho muito melhor quando eles têm mais massa magra (muscular)  e baixa gordura corporal, uma distribuição de tecido que as dietas low-carb, de alta proteína, e gordura mais elevada promovem. Mas o mito carbing up tem sido muito difícil de ser quebrado, de acordo com Dr. Davitt.



"Nós estamos tentando colocar todos os opositores para descansar. Isso também evitará o  desconforto gastrointestinal porque o sangue está sendo desviado para longe do intestino”.


Ele não apenas supôs essa teoria, como colocou à prova. Recrutou vinte experientes corredores de ultra-distância (geralmente maratona) de todo os Estados Unidos. Todos eram homens, com idade média de 33,5 anos. De acordo com Medscape, dez dos atletas consumiram dietas ricas em carboidratos sendo 28% de gordura, 15% de proteína e 58% de carboidratos, 10 e comeram dietas de baixo carboidrato que eram 71% de gordura, 19% de proteína e 11% de carboidratos. Todos estavam nestas dietas por pelo menos 6 meses durante o estudo.

Os pesquisadores fizeram os atletas correrem em escadas rolantes e mediram o consumo de oxigênio e a produção de dióxido de carbono simultaneamente. A partir destas medições, eles extraíram a análise estatística da capacidade aeróbica máxima de cada atleta, e a quantidade de gorduras e hidratos de carbono queimadas. O que eles encontraram pode surpreender muitos corredores.

Não houve diferenças na capacidade aeróbia entre os dois grupos que sejam estatisticamente significativas o suficiente para mostrar muito impacto. No entanto, em média, o grupo de alto teor de carboidratos queimou menos gordura por minuto que o grupo do baixo carboidrato, o que significa que o grupo do baixo carboidrato estava queimando as reservas de gordura, a fim de alimentar o seu metabolismo. Dr. Davitt aconselha aos corredores que levem em consideração o que eles comem antes de uma corrida de resistência.

"Isso é realmente uma descoberta profunda, pois indica que eles são capazes de correr, em maior intensidade por um longo tempo usando principalmente a gordura."



Leia também:


Sugestões de livros sobre a Dieta Paleo - Low Carb? Veja aqui  


 Siga MENOS RÓTULOS no Facebook e Instagram 
 As informações contidas neste blog são relatos pessoais, ou artigos traduzidos com as devidas referências, não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer condição médica e não devem ser usadas como um substituto para o cuidado e orientação de um médico / nutricionista.