"T" de Trigo, de Tóxico, de Transgênico



Você sente azia constantemente, sofre de refluxo, gazes, má digestão, diarreia ou constipação, principalmente depois de comer produtos à base de trigo? E isto te levou a crer que tivesse sensibilidade ao glúten, já que suas reações não são tão graves como as consideradas na doença celíaca? 

Pode ser que os grãos não sejam tão culpados, o problema é o que vem com eles...

Ao mesmo tempo aqui no Brasil, o símbolo de Transgênico não será mais obrigatório nas embalagens dos alimentos, mais do que antes, a cada compra será preciso decidir se você vai colocar um herbicida na sua mesa ou vai optar pelos alimentos orgânicos.

Um herbicida mata ervas daninhas, mas para não matar também as plantas da lavoura e não prejudicar a produção, as espécies de grãos como milho, soja, algodão e outras foram modificadas geneticamente para serem resistentes a um determinado herbicida. São as chamadas culturas TRANSGÊNICAS, desenvolvidas para serem resistentes ao herbicida glifosato, cujo nome comercial mais conhecido é Roundup®, da Monsanto.

Porém...o aumento da exposição ao glifosato, pode estar sendo, pelo menos parcialmente, responsável pela elevação dos níveis de numerosas doenças crônicas nas sociedades ocidentais, de acordo com pesquisa recente.

A descoberta, publicada no periódico Entropy sugere que cada homem, mulher e criança dos países desenvolvidos, já teve contato com este agrotóxico que é usado tanto em cultivos convencionais como e especialmente, nas culturas transgênicas. 

Enquanto a Monsanto insiste de que o herbicida Roundup é seguro, o relatório revisto aos pares feito por autoria de Anthony Samsel, um consultor científico aposentado e a Dra. Stephanie Seneff, cientista pesquisadora do Massachusetts Institute of Technology (MIT), revela como o glifosato destrói a saúde humana:


A doença celíaca, e, mais geralmente, a intolerância ao glúten, é um problema crescente em todo o mundo, mas especialmente na América do Norte e na Europa, onde se estima que 5% da população já sofre com isso.

Os sintomas incluem náuseas, diarreia, erupções cutâneas, anemia macrocítica e depressão. É uma doença multifatorial associada a inúmeras deficiências nutricionais, bem como questões reprodutivas e aumento do risco de doença da tireoide, insuficiência renal e câncer. Aqui, propõe-se que o glifosato, o ingrediente ativo no herbicida, Roundup®, é o fator causal mais importante na presente epidemia.



Os peixes expostos ao glifosato desenvolvem problemas digestivos que são uma reminiscência da doença celíaca. A doença celíaca é associada com desequilíbrios na flora benéfica do intestino, que podem ser totalmente explicados pelos efeitos conhecidos do glifosato sobre as bactérias do intestino.

Características do ponto de doença celíaca, o comprometimento das enzimas do citocromo P450, que estão envolvidos em desintoxicar as toxinas ambientais, ativar a vitamina D3, catabolizar vitamina A, e manutenção de produção de ácidos biliares e fontes de sulfato para o intestino. O glifosato é conhecido por inibir enzimas do citocromo P450.

As deficiências em ferro, cobalto, molibdénio, cobre e outros metais raros associados com doença celíaca podem ser atribuídas à forte capacidade de glifosato em quelar estes elementos. Deficiências em triptofano, tirosina, metionina e selenometionina, associadas com doença celíaca conhecida pela depleção destes aminoácidos pelo glifosato. Pacientes com doença celíaca têm um risco aumentado de linfoma não-Hodgkin, o que também tem sido implicado em exposição ao glifosato. Problemas reprodutivos associados à doença celíaca, tais como infertilidade, abortos e defeitos de nascimento, também podem ser explicado pelo glifosato.

Resíduos de glifosato em trigo e outras culturas são propensos a aumentar recentemente devido à crescente prática de dessecação de culturas pouco antes da colheita. Argumentamos que a prática de "amadurecimento" da cana-de-açúcar com glifosato pode explicar o recente aumento dos insuficiência renal entre os trabalhadores agrícolas na América Central."


A Monsanto tem afirmado firmemente de que o Roundup é inofensivo para animais e humanos em razão de seu mecanismo de ação que ele emprega (que lhe permite matar as ervas), chamado de via metabólica do chiquimato, ser ausente em todos os animais. No entanto, esta via metabólica do chiquimato, ESTÁ PRESENTE nas bactérias do nosso intestino e esta é a chave para entender como ela causa tanto danos sistêmicos, tanto em humanos como em animais.
Para cada célula de nosso corpo, temos 10 microrganismos de vários tipos e todos eles têm o mesmo processo metabólico do chiquimato. Assim TODOS reagem à presença do glifosato!


O problema é que os patógenos prejudiciais (as bactérias do mal) como o Clostridium botulinum, Salmonella e E. coli são capazes de sobreviver glifosato no intestino, mas as bactérias do bem, os microrganismos protetores da nossa flora intestinal, como os Lactobacillus, são mortos. Isso poderia desequilibrar o sistema digestivo gerando o chamado "intestino permeável", onde o revestimento de proteção do intestino fica comprometido, permitindo que as bactérias, toxinas e outras partículas, caiam na corrente sanguínea.

Como resultado, os seres humanos expostos ao glifosato através do uso em sua comunidade, ou através da ingestão de seus resíduos em produtos alimentares industrializados, se tornam ainda mais vulneráveis ​​aos efeitos nocivos dos produtos químicos e outras toxinas ambientais que encontram!

As intoxicações crônicas podem afetar toda a população, pois são decorrentes da exposição múltipla aos agrotóxicos, isto é, da presença de resíduos de agrotóxicos em alimentos e no ambiente, geralmente em doses baixas. 

Os efeitos adversos decorrentes da exposição crônica aos agrotóxicos podem aparecer muito tempo após a exposição, dificultando a correlação com o agente. O pior é que o impacto negativo da exposição ao glifosato, é lento e insidioso, ao longo de meses e anos, como uma inflamação gradualmente ganhando um ponto de apoio nos sistemas celulares do corpo.

As consequências desta inflamação sistêmica são a maioria das doenças e condições associadas com o estilo de vida ocidental:

- Doenças gastrointestinais
- Obesidade
- Diabetes
- Doença cardíaca
- Depressão
- Autismo
- Infertilidade
- Câncer
- Esclerose Múltipla
- Doença de Alzheimer

 Uma nova grande revisão de 44 estudos científicos descobriu que a exposição glifosato duplica o risco dos agricultores em desenvolver o linfoma não-Hodgkin.  Os autores do estudo acreditam que o glifosato perturba o funcionamento normal das células brancas do sangue, debilitando o seu sistema imunológico, deixando-o em um estado adoecido.


No caso do trigo...


"Não há nenhum trigo transgênico liberado comercialmente em nenhum lugar do mundo", afirma a especialista em transformação genética e biologia molecular, pesquisadora da Embrapa Trigo, Elene Yamazaki Lau.

Porém...o  protocolo padrão da colheita de trigo nos Estados Unidos é banhar os campos de trigo com Roundup de 7 a 10 dias antes da colheita. Depois de secas, além de permitem a colheita mais cedo, as hastes de trigo mortas são menos desgastantes para a máquina, favorecendo uma colheita mais fácil e por liberarem mais sementes, com maior rendimento.  

Isto foi sugerido desde 1980, mas começou a ser posto em prática no final dos anos 90 e tornou-se rotina ao longo dos últimos 15 anos.

De acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA, a partir de 2012, 99% do trigo duro, 97% de trigo de primavera, e 61% do trigo de inverno foi encharcado com Roundup, como parte do processo de colheita. Isso representa um aumento de 88% para o trigo duro, 91% para a Primavera de trigo e 47% para o trigo de inverno desde 1998. 

Um campo de trigo amadurece, muitas vezes de forma desigual, assim, aplicando Roundup na pré-colheita equilibra-se as partes mais verdes do campo com as mais maduras. 

O resultado é que a aplicação de glifosato / Roundup nas plantas com mais de 30% de umidade (ainda não maduras), resulta na sua absorção pelos grãos, pois o glifosato é um produto químico sistêmico, ou seja, ele é absorvido pelas plantas que as pessoas e os animais de pecuária comerão.

Esta prática não está licenciada. Os agricultores erroneamente a chamam de "dessecação", e esse material não é removido - ele é moído com o trigo e se esconde em seus sacos de farinha, seus pães, e suas sobremesas.

Os consumidores que comem os produtos feitos de farinha de trigo são, estão sem dúvida, consumindo pequenas quantidades de Roundup. 


O gráfico abaixo ilustra a disparada das aplicações de glifosato nas culturas de trigo dos EUA desde 1990 e a incidência da doença celíaca, analisando as vias do glifosato e as doenças auto-imunes.



O atual trigo não é "Roundup Ready" o que significa que não é resistente aos seus efeitos destruidores, como o milho ou soja transgênicos, portanto, a aplicação de glifosato no trigo iria realmente matá-lo, e quando morre, libera mais facilmente as sementes.

Enquanto a indústria de herbicida sustenta que o glifosato é minimamente tóxico para os seres humanos, a pesquisa publicada no Jornal Entropy argumenta fortemente o contrário, por lançar uma luz sobre como exatamente o glifosato perturba a fisiologia dos mamíferos.

Uma observação interessante: o malte de cevada da qual é feita a cerveja não é aceitável no mercado americano, caso tenha sido pulverizado com Roundup na pré-colheita.

Lentilhas e ervilhas não são aceitas no mercado se elas forem pulverizadas com Roundup na pré-colheita... mas o trigo sim. Estas práticas agrícolas preocupam muito e os consumidores de produtos de trigo devem ser uma preocupação adicional.



Outras complicações da aplicação de glifosato nas lavouras de grãos:

- A cada ano, os agricultores não orgânicos despejam milhões de quilos de glifosato na produção de alimentos. Os níveis são tão excessivos, que os cientistas federais recentemente detectaram o herbicida no ar e na chuva;


Azevém resistente a glifosato e ALS em trigo e leiteiro resistente a ALS.

- não está funcionando!
A engenharia genética na produção de grãos, que crescem através de aplicações de herbicidas que normalmente matam a cultura, é uma tecnologia que falhou e uma batalha perdida. 
Assim como o uso excessivo antibióticos levou às superbactérias, resistentes aos antibióticos, difíceis de matar, o abuso de herbicidas alimentou o surgimento de super ervas daninhas quase impossíveis de matar.

Quando a tecnologia dos Geneticamente Modificados foi introduzida pela primeira vez, as empresas químicas apontavam como uma maneira de reduzir o uso de produtos químicos na produção de alimentos. Mas Chuck Benbrook, PhD, professor e pesquisador da Universidade Estadual de Washington, recentemente descobriu que entre 1996 e 2011, a tecnologia GMO na verdade, aumentou o uso de herbicidas em 11 por cento. E para cada quilo a menos de inseticida utilizado, os agricultores utilizaram quatro quilos a mais de herbicidas.

Devido ao fato de que as variedades transgênicas resistentes ao glifosato estarem fracassando miseravelmente, a Agência de Proteção Ambiental (EPA) - agora está considerando a aprovação de uma semente GM ainda pior, projetada para sobreviver encharcada de glifosato 2,4-D altamente tóxico, para exterminar plantas daninhas mais velhas. Isso é chamado de "stacking", o que aumentará drasticamente a quantidade de 2,4-D usado em nossa comida. Isso é uma má notícia, considerando-se que o 2,4-D tem sido associado ao hipotireoidismo, supressor da função imune, doença de Parkinson e câncer, entre outros males.

NO BRASIL...
Em todo o ano de 2014, foram cultivados 42,2 milhões de hectares de culturas transgênicas no Brasil. O número representa um aumento de 4,7% em relação a 2013, de acordo com dados divulgados em 28 de janeiro, pelo Serviço Internacional para a Aquisição de Aplicações em Agrobiotecnologia (ISAAA). Sendo a taxa de adoção foi de 89,3%, considerando soja, milho e algodão, as três culturas GM aprovadas comercialmente no país.
O relatório posiciona o Brasil na segunda colocação como país com maior utilização de biotecnologia. Está atrás apenas dos Estados Unidos (73,1 milhões de há) no ranking mundial. Em seguida aparecem Argentina (24,3 mi/ha), Índia (11,6 mi/ha), Canadá (11,6 mi/ha) e China (3,9 mi/ha).


Em 2014, 90% dos produtores mundiais que adotaram a biotecnologia são pequenos agricultores. Um dado que, segundo o órgão, contradiz a afirmação de que essa tecnologia só é viável para grandes produtores. “A biotecnologia é uma ferramenta a mais para a eficiência da produção agrícola”, afirma Anderson Galvão, representante do ISAAA no Brasil.
De acordo com o levantamento, nos últimos 20 anos, em média, os transgênicos reduziram o uso de defensivos químicos em 37% ao mesmo tempo em que aumentaram a produtividade em 22% e os rendimentos dos agricultores em 68%.
No Brasil, o uso de agrotóxicos, no entanto, segue crescente. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, o Brasil é hoje o maior consumidor global de agrotóxicos. Em 2013 foram consumidos um bilhão de litros de agrotóxicos no País – uma cota de 5 litros por habitante. No Brasil são usados agrotóxicos que foram proibidos em 1985 na União Européia, Estados Unidos e Canadá. Segundo classificação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em termos de toxicidade humana, o glifosato é de nível IV, isto é, ligeiramente tóxico. 
O Ministério Público Federal enviou documento à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), recomendando que “seja concluída com urgência a reavaliação toxicológica do glifosato e que determine o banimento do herbicida no mercado nacional”. O princípio ativo é o mais utilizado pelos agricultores brasileiros, “principalmente os que adotam o modelo de monocultura”.
O MPF diz que a medida leva em conta o princípio da precaução e se baseia em estudos como o desenvolvido pela International Agency for Research on Câncer (IARC), “ligada à Organização Mundial de Saúde (OMS), segundo a qual, o ingrediente pode ser cancerígeno”.  A petição também faz referência ao fato de a OMS ter reconhecido, em março de 2015, estudos consolidados por 17 especialistas de 11 países, que avaliaram a característica carcinogênica de alguns ingredientes, entre os quais o glifosato. 



Sugestões de livros e programas sobre a Dieta Paleo - Low Carb? Veja aqui

Receba as novidades do Menos Rótulos por e-mail:
 
FeedBurner
 Siga MENOS RÓTULOS no Facebook e Instagram

 As informações contidas neste blog são relatos pessoais, ou artigos traduzidos com as devidas referências, não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer condição médica e não devem ser usadas como um substituto para o cuidado e orientação de um médico / nutricionista.