7 coisas que você precisa saber quando o seu médico disser que seu colesterol está muito alto (antes de tomar medicamentos!)



"O colesterol pode ser facilmente descrito como o cigarro das últimas duas décadas. Tem sido responsável por demonizar categorias inteiras de alimentos (como ovos e gorduras saturadas) e culpado por praticamente todos os casos de doença cardíaca nos últimos 20 anos.

Você provavelmente está ciente de que existem muitos mitos que retratam a gordura e o colesterol como um dos piores alimentos que você pode consumir. Por favor, entenda que esses mitos são, na verdade, prejudiciais a sua saúde. Não só o colesterol muito provavelmente não vai destruir sua saúde (como você foi levado a acreditar), mas também não é a causa de doença cardíaca.

E para aqueles que tomam medicamentos para baixar o colesterol, a informação que se segue não poderia ter sido dada a você tão superficialmente. Mas antes de me aprofundar nestas informações para mudança de vida, vamos ter algumas noções básicas primeiro."


Por DR. Mercola. Texto traduzido por Regiany Floriano, o original está aqui.

Em meados dos anos 80, o medo de ter o colesterol alto raramente era discutido num consultório médico, a menos que o seu nível estivesse acima de 330 ou algo assim.

Ao longo dos anos, no entanto, o colesterol tornou-se algo que você deve manter o mais baixo possível, ou sofrerá as consequências. Hoje, gordura saturada e colesterol ainda são retratados como os piores alimentos que você pode consumir.

Isso é lamentável, uma vez que estes mitos são, na verdade, prejudiciais para sua saúde. Colesterol é uma das moléculas mais importantes em seu corpo; indispensável para a construção das células e para a produção de hormônios sexuais e do estresse, bem como vitamina D.

Como a hipótese de colesterol é falsa, isso também significa que as terapias de baixo teor de gordura recomendadas, dietas de baixo colesterol e medicamentos para baixar o colesterol estão fazendo mais mal do que bem.

O tratamento com estatinas, por exemplo, é em grande parte prejudicial, caro, e tem transformado milhões de pessoas em pacientes, cuja saúde está sendo impactada negativamente pela droga. Como observado pelo Dr. Frank Lipman no artigo em destaque:

“Os profissionais da área médica estão obcecados em reduzir o seu colesterol por causa de teorias equivocadas sobre o colesterol e doenças cardíacas. Por que iríamos querer abaixá-lo quando a pesquisa realmente mostra que três quartos das pessoas que têm um primeiro ataque cardíaco, têm níveis normais de colesterol, e quando os dados de 30 anos atrás a partir do bem conhecido Estudo de Framingham Heart mostrou que, na maioria dos grupos etários, o alto colesterol não foi associado com mais mortes?
Na verdade, no caso dos idosos, as mortes mais comuns foram com baixo colesterol. A “pesquisa é clara e as ESTATINAS estão sendo prescritas com base em uma hipótese errada, e elas NÃO SÃO INOFENSIVAS”.

Em seu artigo, o Dr. Lipman discute sete coisas que você precisa saber quando você tem uma conversa com seu médico sobre o seu nível de colesterol. Para começar, é importante perceber que a visão convencional de que o colesterol causa doença cardíaca foi baseada em pesquisas com falhas graves desde o início.


# 1: Estudos Imperfeitos sobre Colesterol fizeram um dano incalculável...

Isso inclui o Estudo dos Sete Países do Dr. Ancel Keys em 1953, que vincula o consumo de gordura na dieta com doença cardíaca coronária. Quando Keys publicou sua análise que pretendia provar esta ligação, ele incluiu seletivamente informações de apenas sete países, apesar de ter os dados de 22 países à sua disposição. Os estudos por ele excluídos foram aqueles que não se encaixavam com a sua hipótese preconcebida. Uma vez que os dados de todos os 22 países são analisados, a correlação desaparece.

Além disso, como foi observado por Dr. Lipman: "[T] o pensamento dominante de hoje sobre o colesterol é amplamente baseado em um estudo de 1960, influente, mas falho, que concluiu que os homens que comiam muita carne e laticínios tinham altos níveis de colesterol e de doenças do coração. Esta interpretação criou raízes, dando origem ao que se tornou a sabedoria predominante dos últimos 40 anos: que evitar gorduras saturadas e reduzir os níveis de colesterol diminuem o risco de doença cardíaca. Isso ajudou a detonar a debandada para criar alimentos de laboratório com baixo teor de gordura ou nenhum teor de gordura (Frankenfoods) e iniciar o negócio de bilhões de dólares com drogas para baixar o colesterol, na esperança de reduzir o risco de doença cardíaca. Será que isso funcionou? Não. Em vez de fazer as pessoas mais saudáveis, desencadeou uma epidemia de obesidade e diabetes, e vai acabar elevando as taxas de doenças do coração -. Dificilmente o resultado que esperávamos "


# 2: O colesterol é importante para a saúde

O Colesterol é uma substância mole e cerosa, encontrado não só na corrente sanguínea, mas também em todas as células do seu corpo, onde ele ajuda a produzir membranas celulares, hormônios (incluindo os hormônios sexuais testosterona, progesterona e estrogênio), e ácidos biliares que ajudam a digerir a gordura.

Também é importante para a produção de vitamina D, vital para uma boa saúde. Quando a luz solar atinge a sua pele descoberta, o colesterol em sua pele é convertido em vitamina D. Ela também serve como isolamento protetor das suas células nervosas.

O colesterol também é importante para a saúde do cérebro, especialmente para a memória. Baixos níveis de HDL-colesterol têm sido associados à perda de memória e doença de Alzheimer, e podem também aumentar o risco de depressão, acidente vascular cerebral, o comportamento violento e suicídio.



# 3: Colesterol total praticamente não te diz nada sobre o seu risco de Saúde

Seu fígado produz cerca de três quartos ou mais de colesterol do seu corpo, que pode ser dividido em dois tipos:

HDL ou Lipoproteína de Alta Densidade: conhecido como o "bom" colesterol, o que pode realmente ajudar a prevenir doenças cardíacas.
LDL ou Lipoproteína de baixa densidade: O "mau" colesterol que circula no sangue e, de acordo com o pensamento convencional, pode acumular-se nas artérias, formando placas que fazem com que as artérias tornem-se estreitas e menos flexíveis (aterosclerose). Se um coágulo que se forma numa dessas artérias estreitadas, é levado para o seu coração ou cérebro, um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral pode acontecer.

A divisão em HDL e LDL é baseada em como o colesterol combina-se com partículas de proteína. LDL e HDL são lipoproteínas - gorduras combinadas com proteínas. O colesterol é solúvel em gordura, e sangue é principalmente água. Para que seja transportado no sangue, colesterol precisa ser carregado por uma lipoproteína, que são classificadas pela sua densidade.

As grandes partículas de LDL não são prejudiciais. Apenas as pequenas e densas partículas de LDL podem ser potencialmente um problema, uma vez que podem se acumular, comprimindo suas artérias. Se elas oxidam, podem causar danos e inflamação.*


# 4: Ir mais fundo nos seus Fatores de Risco...

Felizmente, uma vez que você saiba sobre os tamanhos das partículas, você pode assumir o controle de sua saúde e pedir ao seu médico para solicitar este teste, ou encomendá-lo você mesmo. Como observado por Dr. Lipman, se o seu médico lhe disser que o seu colesterol está muito alto com base no perfil lipídico padrão, obter uma visão mais completa é importante, especialmente se você tem um histórico familiar de doença cardíaca ou outros fatores de risco.

Ele escreve:
"Pressione o seu médico para analisar e avaliar os outros fatores muitas vezes esquecidos, mas possivelmente muito importantes que podem lançar grande evidência da sua situação única - são testes que avaliam a PCR (proteína C-reativa) - que é um marcador de processos inflamatórios*; tamanhos de partículas do colesterol LDL (chamado às vezes NMR LipoProfile), lipoproteína (a) e fibrinogênio sérico.

Estas pistas físicas mensuráveis vão ajudar a preencher mais algumas peças do quebra-cabeça, e permitirão que você e seu médico desenvolvam um programa mais personalizado para ajudar a gerenciar o risco, com ou sem drogas para o colesterol. Se seu médico não estiver interessado em ir mais fundo, então pode ser a hora de trocar de médico".

Abaixo um vídeo onde o Dr Mercola fala sobre colesterol e estatinas (para legendas em portugues, clique em "legendas/cc"):

# 5: Tenha muito cuidado com Estudos a favor das Estatinas

A maioria dos estudos pró-estatinas é patrocinada pelos fabricantes de medicamentos, o que normalmente distorcem os resultados a seu favor. Pior ainda, os conflitos de interesses tornaram-se mais a regra do que a exceção quando as diretrizes são criadas. Por exemplo, as diretrizes de tratamento de colesterol emitidas pela American Heart Association (AHA) e do American College of Cardiology (ACC), em 2013 foram criados por um número de indivíduos que tinham interesses conflitantes. Isto inclui:

O autor do estudo, Dr. Neil J. Stone, que é um forte defensor do uso de estatina e recebeu honorários para palestras educativas de Abbott, AstraZeneca, Bristol-Myers Squibb, Kos, Merck, Merck / Schering-Plough, Novartis, Pfizer, Reliant, e Sankyo. Ele também atuou como consultor para Abbott, Merck, Merck / Schering-Plough, Pfizer, e Reliant.
O segundo autor listado, Jennifer Robinson, admitiu ao New York Times em 2011 que ela estava levando dinheiro de pesquisa a partir de sete empresas, incluindo alguns dos maiores vendedores de pílulas de colesterol.

Outro autor, C. Noel Bairey Merz, recebeu honorários por palestras da Pfizer, Merck, e Kos, e atuou como consultor para a Pfizer, Bayer, e EHC (Merck). Ela também recebeu doações institucionais irrestritas para Educação Médica Continuada da Pfizer, Procter & Gamble, Novartis, Wyeth, AstraZeneca e Bristol-Myers Squibb Medical Imaging, bem como uma bolsa de investigação da Merck. Ela também tem ações em Boston Scientific, IVAX, Eli Lilly, Medtronic, Johnson & Johnson, SCIPIE Seguros, ATS Medical, e Biosite.



# 6: Avaliar a sua real necessidade de um medicamento para baixar o colesterol

Como observado por Dr. Lipman, medicamentos para baixar o colesterol não são necessários ou prudentes para a maioria das pessoas, especialmente se sua família tem o colesterol elevado e longevidade. "Independentemente disso, não tenha medo de empurrar para trás e dizer ao seu médico que você prefere evitar terapias medicamentosas", escreve ele. "Supondo que você não está em uma situação crítica, discutir a possibilidade de tentar uma abordagem mais holística para reduzir seus números, é considerado uma atitude normal e saudável com base em todos os seus fatores de risco específicos, e não apenas seus números de colesterol.”

Além dos testes mencionados anteriormente, incluindo a NMR LipoProfile, os seguintes testes podem dar-lhe uma muito melhor avaliação do seu risco de doença cardíaca do que o seu colesterol total sozinho:
Relação HDL / Colesterol: o percentual HDL é um fator de risco de doença cardíaca muito potente. Basta dividir o seu nível de HDL por seu colesterol total. Esse percentual deve ser idealmente acima de 24 por cento.
Proporções de triglicerídeos / HDL: Você também pode fazer a mesma coisa com os níveis de triglicerídeos e HDL. Esse percentual deve ser inferior a 2.

Seu nível de açúcar no sangue em jejum: Estudos têm demonstrado que as pessoas com um nível de açúcar no sangue em jejum de 100-125 mg / dl apresentaram um risco quase 300% maior de ter doença cardíaca coronária do que as pessoas com um nível inferior a 79 mg / dl.

Seu nível de ferro: ferro pode ser um estresse oxidativo muito potente, por isso, se você tem excesso de níveis de ferro pode danificar os vasos sanguíneos e aumentar o risco de doença cardíaca. Idealmente, você deve monitorar seus níveis de ferritina e certifique-se que eles não são muito acima de 80 ng / ml. A maneira mais simples para reduzi-los se eles estão elevados, é doar seu sangue. Se isso não for possível, você pode fazer uma flebotomia terapêutica que vai eliminar o excesso de ferro do seu corpo.

Uma nota importante: se você decidir tomar um medicamento a base de estatina, você precisa garantir que você o associe com a coenzima Q10 (CoQ10 ou Ubiquinol ). Um em cada quatro americanos com mais de 45 anos de idade atualmente tomam estatinas, e a maioria não é informado de que precisam tomar a coenzima Q10 para prevenir alguns dos efeitos secundários mais devastadores da droga.

Tal como anteriormente explicado pelo Dr. Sinatra, as estatinas não apenas bloqueiam as vias de produção de colesterol, mas vários outros caminhos bioquímicos, bem como, incluindo o da CoQ10 e esqualeno- o último dos quais o Dr. Sinatra acredita ser essencial na prevenção do câncer de mama.


# 7: Concentre-se em aumentar seu HDL

A ciência da doença cardíaca ainda é imprecisa. Como observado por Dr. Lipman: "Em última análise, quanto mais medidas você tomar para garantir o aumento de HDL, melhores as chances, e se você é capaz de fazê-lo sem medicamentos, muito melhor." O que são exatamente estes passos?

Desnecessário será dizer que a sua dieta tem muito a ver com isso, e o passo número um é IGNORAR o conselho convencional de seguir a dieta de baixo colesterol, com baixo teor de gordura.
Dr. Lipman inclui uma lista de 10 estratégias que irão ajudar a reduzir o risco de doença cardíaca, que se encaixam em vez precisamente com as minhas próprias recomendações. Isto inclui o seguinte:

1 - Abolir os alimentos processados (carregados de açúcar refinado e carboidratos, frutose processada e gordura trans, tudo que promove as doenças do coração). Alimente-se de alimentos integrais, não processados ou minimamente processados, idealmente orgânicos e / ou cultivados localmente = COMIDA DE VERDADE.

2 - Evite carnes e outros produtos de origem animal, como laticínios e ovos provenientes de animais criados em confinamentos. Dê preferência às carnes de animais alimentados com capim, criados a pasto de acordo com os padrões orgânicos.

3 - Eliminar alimentos com baixo teor de gordura ou sem gordura, e aumentar o consumo de gorduras saudáveis. Metade da população sofre com a resistência à insulina e se beneficiaria em consumir 50-85 % de suas calorias diárias a partir de gorduras saturadas saudáveis, tais como abacate, manteiga feita a partir de leite cru (de animais criados no pasto), leite cru, gemas de ovos orgânicos, cocos e óleo de coco, óleos de nozes orgânicas prensadas a frio, nozes cruas, e carnes (de animais alimentados com capim). Alimentos com baixo teor de gordura são normalmente alimentos processados ricos em açúcar, o que aumenta suas densas e pequenas partículas de LDL.

4 -Equilibrar a sua relação ômega-3 / ômega-6 também é fundamental para a saúde do coração. Como esses ácidos graxos ajudam a construir as células em suas artérias e que fazem a prostaciclina, que mantém o seu sangue fluindo sem problemas. Deficiência de Omega-3 pode causar ou contribuir para problemas de saúde muito graves, tanto físicos e mentais, e pode ser um fator significativa de até 96 mil mortes prematuras por ano.

5- Você também precisa de proporções adequadas de cálcio, magnésio, sódio e potássio, e todos estes são geralmente abundantes em uma dieta alimentar como um todo. Para ter mais vegetais frescos em sua dieta, considere sucos também.

6 - Otimize o seu nível de vitamina D. Alguns pesquisadores, acreditam que otimizar o seu nível de vitamina D através da exposição solar regular, em vez de tomar um suplemento oral, pode ser a chave para otimizar a saúde do coração. Se você optar por um suplemento, você também deve aumentar a suplementação de vitamina K2.

7 - Otimize sua saúde intestinal. Regularmente comendo alimentos fermentados, tais como vegetais fermentados, isto vai ajudar a propagar novamente no intestino as bactérias benéficas que podem desempenhar um papel importante na prevenção de doenças cardíacas e de inúmeros outros problemas de saúde.

8 - Parar de fumar e reduzir o seu consumo de álcool.

9 - Exercícios regulares. O exercício é realmente uma das mais seguras e mais eficazes formas para prevenir e tratar doenças do coração. Em 2013, pesquisadores da Harvard e Stanford avaliando 305 ensaios clínicos randomizados, concluíram que "não há diferenças estatisticamente detectáveis" entre a atividade física e medicamentos para doenças do coração. Treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT), o que exige apenas uma pequena fração do tempo em comparação com treinamento cardio convencional, tem sido demonstrado ser especialmente eficaz.

10 - Preste atenção à sua saúde oral. Há evidências convincentes ligando o estado de seus dentes e gengivas a uma variedade de problemas de saúde, incluindo doenças cardíacas. Em um estudo de 2010, aqueles com a pior higiene oral aumentaram o risco de desenvolver doenças cardíacas em 70%, em comparação com aqueles que escovam os dentes duas vezes por dia.

EVITAR ESTATINAS, pelos efeitos secundários destes medicamentos serem numerosos, enquanto que os benefícios são discutíveis. Em minha opinião, as únicas pessoas que podem se beneficiar de um medicamento para baixar o colesterol são aquelas com hipercolesterolemia familiar genética. Esta é uma condição caracterizada por colesterol anormalmente elevada, que tende a ser resistentes à redução com estratégias de estilo de vida, como dieta e exercício.



* - [“Quando um processo inflamatório sai de controle, são produzidas diversas substâncias químicas, que são diretamente tóxicas para nossas células. Isso leva a uma redução das funções celulares, seguida da destruição de células. Processos inflamatórios descontrolados se generalizaram nas sociedades ocidentais, e importantes estudos científicos mostram que eles são uma causa fundamental de morbidade e mortalidade, associada a doenças coronarianas, câncer, diabetes, Alzheimer e virtualmente todas as doenças crônicas que você puder imaginar.” (Dr David Perlmutter)].


Outros artigos interessantes:

AS ESTATINAS PODEM CAUSAR DOENÇAS CARDÍACAS

Estatinas duplicam o risco de Diabetes

Como se alimentar quando se tem Diabetes

O que as pessoas não sabem sobre Nutrição, mas deveriam saber


Magro por fora, gordo por dentro




Livros recomendados pelo blog, veja aqui.

 Siga MENOS RÓTULOS no Facebook e Instagram
 As informações contidas neste blog são relatos pessoais, ou artigos traduzidos com as devidas referências, não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer condição médica e não devem ser usadas como um substituto para o cuidado e orientação de um médico / nutricionista.