Você sente a doçura?


Você já sentiu a doçura de uma laranja ou de uma banana? É fácil perceber o gosto doce das frutas, principalmente das mais doces, mas e a doçura de um tomate, de um pepino ou pimentão? Já sentiu?

Quando nos acostumamos a comer muitos alimentos processados, perdemos a sensibilidade do paladar na língua... e no cérebro. Eles ficam "entorpecidos" pelo excesso de açúcares e inúmeros ingredientes químicos. Algo parecido com nossa audição, se frequentemente exposta a ruídos altos, perderá a capacidade de ouvir sons e ruídos mais baixos, nosso paladar também perde a identificação dos sabores mais suaves. E assim precisamos de um estímulo maior para a sensação perdida, ou seja, som mais alto ou doces mais doces...

Tem gente que não se atreve a experimentar um copo de leite cru ou ovo caipira e ainda demonstra certo asco por ver o alimento na sua forma original. Só sentem segurança em ingerir, se os produtos estiverem embalados, depois de sofreram alterações na sua composição original. Uma pena... É disto que estou falando, será que nós, moradores das grandes cidades, perdemos nossas referências alimentares ou será que nunca a tivemos?

Mas dá para reprogramar! Quando reduzimos a quantidade de produtos industrializados na alimentação diária e nos acostumamos com o sabor real de cada alimento, nosso paladar recupera sua sensibilidade. É a descoberta de uma sensação diferente, a de sentir a verdadeira doçura de uma fruta que antes era apenas "comida", sem ter seu sabor apreciado por inteiro.

Pode ser que nem todos entendam ao que estou me referindo. Hoje em dia, a maioria das pessoas segue uma rotina alimentar carregada de carboidratos, que "ligam" no cérebro a vontade de comer mais e assim, comem meio no “automático”, sem apreciar os sabores, texturas, cores, odores e outros detalhes que a natureza generosamente nos dá, mas que nem sempre percebemos...


Coloque um pedaço de chocolate na boca e deixe derreter... deixe inundar seu paladar.
Poucos fazem isto. geralmente mastigam 2, 3 vezes e quase que engolem o pedaço inteiro, se não a barra toda!
Sei que resistir não é fácil, já passei por esta fissura de querer mais, de um pedaço só ser pouco. Mas esta compulsão tem solução. E acredite, uns 2 ou 3 quadradinhos de chocolate acima de 70% cacau serão poderosos!


A vontade permanente de comer, ou o simples fato de pensar em comida o tempo todo, me fazia sofrer. Eu deixava para comer depois alguma coisa que eu gostava muito, pois se eu comesse naquela hora, comeria depois também! E enquanto não comesse, ficaria pensando naquilo que não comi... Cabeça de gordo? Eu acho que sim! A culpa era minha? Acho que não.

Inúmeros livros, estudos científicos, artigos publicados em blogs, filmes no youtube e muitas outras formas de divulgação sobre os efeitos do açúcar e trigo, estão disponíveis na internet. Isto sem falar na frutose artificial, adicionada aos alimentos processados, disfarçada nos mais diversos nomes, para não ser identificada. E é aí que está a culpa!


Nosso corpo não está biologicamente adaptado ao excesso de carboidratos que ingerimos nas 6 porções diárias, recomendadas para ter uma alimentação saudável. Precisamos de muito pouco ou nada de carboidratos para viver.

O homem das cavernas (cujo corpo tinha praticamente a mesma programação do homem atual) só ingeria os açúcares (das frutas) quando a natureza dispunha, em algumas épocas do ano, para que pudesse estocar no seu corpo sob a forma de gordura, assim, teria uma fonte energética nos meses mais frios, ou quando não tivesse sucesso na caça. No resto do tempo sua alimentação era composta basicamente por gordura e proteína de fontes animais e os carboidratos provenientes das plantas colhidas, que poderiam incluir raízes selvagens (tubérculos), mas que em termos de quantidade de amido e índice glicêmico, eram bem diferentes das nossas batatas e mandiocas de hoje.


Mas.. entre saber disto e tomar uma atitude, há uma longa estrada...
É tão gostoso comer pão, pizza, macarrão, bolos, biscoitos, refrigerantes, sorvetes, balas, chocolates, molhos prontos, sanduíches e batatas fritas das redes de fast food, não é? Sim! "Porque vou deixar de comer todas estas coisas gostosas? Estou bem, um pouco acima do peso (talvez nem saiba que já está diabético), mas depois eu faço um regime."

Ou então, "não vou comer mais nada disto por um tempo, até perder tantos quilos. Vou fazer um regime com poucas calorias, comendo só frutas, grãos integrais e produtos light pra depois poder comer estas delícias". O peso pode até diminuir, mas logo vem tomar seu lugar de novo...


E aquela vontade de comer quando vemos alguma imagem de comida, ou aquela fome insuportável pouco tempo depois de ter feito uma refeição repleta de carboidratos? Porque acontece? Será que o homem das cavernas sentia isto? Não! Esta vontade louca e a "fome" que te pede para comer mais, são decorrentes do excesso de carboidratos agindo no seu cérebro.

O “cérebro te deixa no maior barato” quando você ingere um doce, uma massa. Ele gosta e te pede mais! Afinal, o açúcar tem o mesmo efeito viciante no cérebro que a cocaína... E assim vão passando os dias, quando você percebe que é mais vontade do que fome, e para não engordar mais, você come menos do que gostaria e fica se controlando para não comer tanto quanto o cérebro te pede, pois quanto mais você der, mais ele vai querer! É uma situação desgastante e de sofrimento constante.

O cérebro precisa de glicose, mas isto não quer dizer que ela tenha que ser ingerida pronta para o uso. Nosso corpo é muito inteligente e fabrica a sua própria glicose a partir da gordura e proteínas. Então não se preocupe, você pode diminuir a sua ingestão de doces, massas, pães, farinhas e outras fontes de carboidratos ricos em amido, que não vai morrer.

Esta adaptação leva uns dias ou semanas, mas a liberdade de poder comer quando realmente a barriga roncar ou simplesmente não comer, não tem preço. Você vai desfrutar da ótima sensação de ver uma comida e não sentir aquela vontade louca de devorar, pelo contrário, vai ser refratário aos apelos visuais, e olhe que nem precisa estar num estágio avançado rsrsrs.

E a boia? A boia do nível, que te avisa quando você já está satisfeito e não precisa comer mais? Eu pensei que a minha estava com defeito ou não existisse, mas ela estava só travada pelos carboidratos. Sim! Minha boia funciona e hoje eu posso ficar sentada à mesa conversando depois de uma refeição, que não vou ficar beliscando enquanto a comida estiver à disposição.

Quer experimentar? É bem simples:

É só COMER COMIDA DE VERDADE!!!



- Alimentos que você compra na feira, no açougue de confiança ou na sessão dos hortifruti do mercado. São os produtos in natura, sem rótulos, que não tem propaganda na televisão. Carnes com sua gordura natural, ovos, peixes, azeite de oliva, manteiga, banha!

- Abolir os adoçantes e as gorduras artificiais = margarinas e os óleos extraídos de sementes (de soja, de milho, de girassol, de canola), eliminar os açúcares e farináceos (tanto faz se refinado ou integral), massas prontas, barras de cereais, produtos light e todos aqueles produzidos com ingredientes estranhos (com nomes complicados e cheios de siglas), que vem em pacotes coloridos com apelos para sua saúde do tipo: “rico em fibras”, sem gordura trans”,”com vitaminas”,”sem colesterol”, etc.

- Eliminar grãos por vários motivos, ente eles os grãos transgênicos (principalmente trigo e soja) e o glúten, os demais podem ser consumidos esporadicamente, depois de deixados de molho em água por pelo menos 24hs antes do preparo, para reduzir os fitatos (substâncias que bloqueiam a absorção do cálcio, magnésio, cobre, ferro e do zinco pelo trato intestinal).

Radical?
Depende...
Sob outro ângulo, não considero mais radical do que viver perigosamente, seguindo a dieta ocidental, repleta de carboidratos e que já demonstrou ser a causa de várias doenças metabólicas atuais como diabetes, doenças cardíacas, obesidade, depressão e Alzheimer.

Para mim, é outra vida!
Convido você a sentir estas sensações! Descobrir seu corpo, ter liberdade, perder peso, ganhar saúde e disposição, mente mais ágil, dormir melhor e diminuir quase em 100% suas chances de ter problemas futuros comuns nas pessoas de mais idade que seguiram as recomendações nutricionais das últimas décadas.



Sugestões de livros sobre a Dieta Paleo - Low Carb? Veja aqui


Receba as novidades do Menos Rótulos por e-mail:

FeedBurner
 Siga MENOS RÓTULOS no Facebook e Instagram

 As informações contidas neste blog são relatos pessoais, ou artigos traduzidos com as devidas referências, não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer condição médica e não devem ser usadas como um substituto para o cuidado e orientação de um médico / nutricionista.