O que aprendi com a Low Carb / Paleo


Estas são apenas algumas descobertas deste "universo paralelo" da vida low carb / high fat, que vão na contra mão das diretrizes atuais, mas acredito que é só uma questão de tempo...



1 - É possível emagrecer sem sofrer, sem passar fome e sem contar calorias (ou só contar os carboidratos). O importante para a perda de peso é não elevar a insulina e assim manter nosso corpo em constante queima de gordura ao invés do eterno estado de armazenamento de gordura, causado pelo excesso de carboidratos na dieta. Afinal há muito tempo sabe-se que para engordar as criações deve-se aumentar a quantidade de amidos oferecidos e por que com os humanos seria diferente? A ideia de comer menos calorias do que gasta também não faz sentido, leia aqui, aqui e aqui.



2- O trigo atual foi tão modificado que nosso organismo não reconhece mais sua composição. Tem muitos efeitos tóxicos que não são exclusivos aos celíacos. Quem ainda não identificou os males que o trigo causa, só vai perceber quando remover da alimentação por pelo menos um mês. Toda pessoa tem algum grau de intolerância ao trigo moderno, é só uma questão de tempo para estas alterações se manifestarem.






3- A gordura natural dos alimentos (fontes de ácidos graxos essências como o ômega 3 ômega 6) e o colesterol participam de inúmeros processos bioquímicos em nosso organismo, desde a produção de hormônios até a saúde do cérebro.
A crença infundada que a gordura saturada faz mal e aumenta o “colesterol ruim” já foi desmentida há muito tempo, veja aqui: e aqui. Entregue-se à gordura! Caia de Boca no Bacon!!!






4- As proteínas são fontes de aminoácidos essenciais, sem elas a vida não seria possível. As proteínas são os principais blocos de construção do corpo. Estão presentes nos músculos, tendões, órgãos e pele. Além das enzimas, hormônios, neurotransmissores e várias moléculas pequenas que servem funções importantes. Mas, provavelmente, a contribuição mais importante da proteína para perda de peso, é a sua capacidade para reduzir o apetite pela redução espontânea na ingestão de calorias. A proteína é muito mais saciante do que a gordura e carboidratos.


5 – Meu corpo não precisa de carboidratos como fonte de energia: “ você pode passar a vida toda sem ingerir um único carboidrato – exceto aquele do leite materno ou da diminuta quantidade da carne – e provavelmente viverá bem”, afirma Gary Taubes, autor do livro Boas Calorias, Más Calorias (Good Calories, Bad Calories). Basicamente, vivemos muito bem com 20 a 150 gramas de carboidratos por dia. Nosso cérebro precisa de glicose, mas não quer dizer que ela tenha que ser ingerida.


6 – Carboidratos refinados como açúcar e farinhas viciam!
São a maior causa de compulsão alimentar e consequente obesidade e outras doenças metabólicas. O que há de comum a todas as dietas que funcionam (Atkins - low carb, Zone, Ornish - low fat) é que todas restringem o açúcar e os alimentos altamente processados.


7 – Não preciso comer de 3 em 3 horas e esta liberdade é o MÁXIMO!!!

Como Dr Souto escreveu:
"No nosso estilo de vida atual, passamos no mínimo 2/3 do tempo no estado alimentado, comendo a cada 3 horas, o que impede o uso das reservas de gordura, mas uma coisa é certa: nossos ancestrais não comiam 3 refeições todos os dias. Muito menos faziam lanches. Muito menos comiam a cada 3 horas, como mandam os nutricionistas".

"O incrível é que, do ponto de vista evolutivo, isto é óbvio: um leão é perigoso e ATIVO quando está com fome; quando está alimentado, ele dorme o dia inteiro. Só existem dois estados metabólicos possíveis: alimentado ("fed") ou "em jejum" ("fasted"); enquanto estamos no estado alimentado, o corpo está no modo armazenamento; e no estado de jejum, usa as reservas; nossos antepassados mantinham um equilíbrio entre os dois estados".

"No fundo, estou convencido de que o motivo que levou os nutricionistas à essa insanidade (mandar pessoas com excesso de peso comer o tempo todo) foi uma constatação prática: a de que uma dieta de alto carboidrato leva as pessoas a sentir FOME o tempo todo (diferentemente de uma dieta low carb com mais proteína e gordura, que se caracteriza pela altíssima SACIEDADE). Assim, para que a pessoa possa manter uma dieta de alto carboidrato e baixa caloria, só mesmo comendo a cada 3 horas. Não foi uma orientação decorrente da ciência. Foi uma consequência de insistir em contrariar a ciência, a natureza e a evolução".


8 – Prolongar o tempo de jejum não diminui o metabolismo e ainda pode ser benéfico.
Se estou em boas condições físicas, um período de jejum = não comer qualquer coisa calórica (só líquidos não calóricos são permitidos ) por um período que varia desde 12 horas da última refeição do dia anterior até 24, 36 a 72 horas e tem seus benefícios:
O metabolismo não desacelera com jejuns curtos. Na verdade ele pode até mesmo aumentar (diferente da fome crônica, na qual desaceleramos para não morrer). As funções cognitivas do cérebro são intensificadas, não há perda de massa muscular mas a perda de peso pode ser “destravada”.


Viver low carb não é fazer um regime, é um estilo de vida, pra sempre.



Outros artigos interessantes:

- O que realmente causou a epidemia de obesidade


Você não pode correr mais que uma má alimentação

A cura para o Diabetes

Guia Low Carb para Iniciantes

Os efeitos do Trigo mesmo em quem não tem Doença Celíaca

Diabetes, assuma o comando da sua própria saúde

Gordura não te faz engordar

O que as pessoas não sabem sobre nutrição (mas deveriam saber)


 Siga MENOS RÓTULOS no Facebook e Instagram